Falar Verdade a Mentir

avaliação dos leitores (2 comentários)
(2 comentários)
Formatos disponíveis
5,50€ I
-10%
EM
STOCK
COMPRAR
-10%
EM
STOCK
5,50€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO EM CARTÃO
I Em stock - Envio 24H

SINOPSE

Comédia escrita por Almeida Garrett em 1845 e publicada em 1846, oferece como ambiente a cidade de Lisboa em pleno século XIX, onde se digladiam os interesses de duas famílias burguesas e seus criados.

Num jogo entre amores e ambições, onde a mentira tropeça na verdade, o refinado sentido de humor do reconhecido autor português abre caminho à reflexão crítica sobre a sociedade da época.

Peça teatral muito divertida, é constituída apenas por um ato, formado por dezassete cenas, e a sua temática reveste-se de uma enorme atualidade.
Ver Mais

COMENTÁRIOS DOS LEITORES

Amor incondicional
M. J. Martins | 2019-11-06
Forma teatral que retrata uma época de forma sublime. Este aborda um amor incondicional apesar de ele ser um mentiroso compulsivo.
Muito bom!
Sandra | 2019-06-05
Uma comédia muito divertida! Excelente livro de um autor português consagrado.

DETALHES DO PRODUTO

Falar Verdade a Mentir
ISBN: 978-972-0-04958-2
Edição/reimpressão: 09-2019
Editor: Porto Editora
Código: 04958
Idioma: Português
Dimensões: 128 x 198 x 5 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 64
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros > Livros > Livros em Português > Livros em Português > Arte > Literatura > Artes de Palco > Romance
Nascido no Porto, a 4 de Fevereiro de 1799, João Baptista da Silva Leitão de Almeida Garrett foi um dos escritores mais completos no panorama das letras portuguesas. Formado em Leis pela Universidade de Coimbra, apoia, no último ano do curso, a causa da revolução liberal de 1820, exilando-se consequentemente em Inglaterra e França. Neste seu afastamento, publica os dois títulos fundadores do Romantismo português: Camões (1825) e D. Branca (1826). No entanto, é depois do regresso definitivo a Portugal, em 1836, que se mostra mais profícuo, escrevendo um conjunto de obras, das quais se destacam a peça trágica Frei Luís de Sousa (1843), as inclassificáveis Viagens na Minha Terra (1846), ou os ousados versos de Folhas Caídas (1853). Aliado ao escritor está ainda Garrett, o homem cívico, que contribui para a redação da Constituição de 1838, funda o Conservatório de Arte Dramática e encabeça o projecto de edificação do Teatro Nacional D. Maria II. Almeida Garrett morre em Lisboa, a 9 de Dezembro de 1854.
Ver Mais

QUEM COMPROU TAMBÉM COMPROU

Portes Grátis

Em Stock

Um Violino na Noite

de Jojo Moyes

10,62€

17,70€

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK