Razões para viver

avaliação dos leitores (5 comentários)
(5 comentários)
Formatos disponíveis
14,40€ I
-10%
EM
STOCK
COMPRAR
-10%
EM
STOCK
14,40€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO EM CARTÃO
I Em stock - Envio 24H

SINOPSE

Um livro sobre como tirar o máximo partido da vida enquanto cá estamos.

Aos 24 anos, o mundo de Matt Haig desabou:

Durante algum tempo, fiquei parado junto ao abismo. Primeiro, a ganhar coragem para morrer; depois, a ganhar coragem para viver.
Este é um relato na primeira pessoa sobre a forma como Matt mergulhou numa crise profunda, triunfou sobre uma doença que quase o matou e reaprendeu a viver.
Quando se está deprimido, sentimos que estamos sozinhos e que mais ninguém está a passar exatamente por aquilo que nos está a acontecer. Temos tanto medo de que os outros nos achem loucos que acabamos por interiorizar tudo. Temos tanto medo de que as pessoas nos ostracizem ainda mais, que acabamos por nos fechar numa concha. E não falamos sobre o que se passa connosco, o que é uma pena, pois ajuda se falarmos sobre o assunto.

Saiba mais na página especial.
Ver Mais

CRÍTICAS DE IMPRENSA

“Este livro deve ser lido por todos quantos tenham passado ou conheçam alguém que tenha passado por uma depressão. Mesmo toda a gente.”
SJ Watson, autor do bestseller Antes de Adormecer

COMENTÁRIOS DOS LEITORES

Matt Haig
Graça Santos | 2020-07-31
Desconhecia este autor, a minha opção de leitura deveu-se ao facto de ter no meu círculo de relacionamentos um ser "humano maravilhoso" e com os mesmos problemas de saúde de Mat Haig. A esperança de cura neste tipo de doença ou até outra é que nos dá força para continuar e buscar todos os apoios, quando constatamos que só os tratamentos médicos não são suficientes. A mensagem do autor é que o amor é o sentimento principal para ajudar na cura. Afinal confirmou o que eu tenho feito para ajudar o ser " humano maravilhoso" que se cruzou algures na minha vida.
Mente criadora, criativo com criação à letra | https://mergulhosnoslivrosdopedro.blogs.sapo.pt/
Pedro Rebelo | 2020-05-01
Sobre este livro podia dizer pouca coisa. O problema é que pouca coisa rapidamente transformaria-se em muita. Ironia? Não. Este livro é uma bela peça de leitura, com direito a moldura. Se já a tem, pronto para tirar a fotografia? E o melhor, é que a minha opinião está espelhada, em parte, pelo próprio livro: “Read a book without thinking about finishing it. Just read it. Enjoy every word, sentence, and paragraph. Don't wish for it to end, or for it to never end.” E é verdade, li-o muito rápido que nem queria que chegasse ao fim. Este livro é um misto de emoções. Por um lado, Matt Haig sofreu à uns bons anos uma grande depressão, pela leitura, percebe-se que bateu no fundo dos fundos. "How can I stop my mind being overloaded when the world is overloaded? We can think about anything. And so it makes sense that we end up thinking about everything". "You are trapped in a tunnel. You are at the bottom of the ocean You are on fire" Fala-nos dos tempos difíceis que passava, como por exemplo, o fato de sair meramente de casa para ir ao supermercado comprar leite. Matt entrava completamente em pânico. Ele descreve uma situação em que a operadora de caixa está a ser bastante lenta e lhe pergunta se quer saco, onde ele só diz que não, porque quer saír o mais depressa possível da loja. O primeiro pensamento é realmente verificar com uma depressão pode fazer com que a pessoa "bata literalmente no fundo". Ao longo do livro ele vai falando dos "baixos da sua vida", mas como tudo na vida, o autor refere também o que fez para ultrapassar-los. Corridas matinais : "I would come back from a run and stretch and have a shower and feel gentle sense of release, as thought depression and anxiety were slownly evaporating from inside me" Livros: “And most of all, books. They were, in and of themselves, reasons to stay alive. Every book written is the product of a human mind in a particular state. Add all the books together and you get the end sum of humanity. Every time I read a great book I felt I was reading a kind of map, a treasure map, and the treasure I was being directed to was in actual fact myself”. “I read and read and read with an intensity I’d never really known before. I mean, I’d always considered myself to be a person who liked books. But there is a difference between liking books and needing them. I needed books.” Namorada,família e amigos que são muito importantes, nos momentos positivos e negativos. "you will make great friends, you will eat delicious foods you haven’t tried yet, you will be able to look at a view from a high place and not assess the likelihood of dying from falling (...) " Life is waiting for you. You might be stuck here for a while, but the world isn’t going anywhere. Hang on in there if you can. Life is always worth it" O autor também nos fala que ter alguns pensamento negativos não é efetivamente preocupante se não os deixarmos consumir por eles: “The key is in accepting your thoughts, all of them, even the bad ones. Accept thoughts, but don’t become them. Understand, for instance, that having a sad thought, even having a continual succession of sad thoughts, is not the same as being a sad person. You can walk through a storm and feel the wind but you know you are not the wind.” O livro correspondeu às minhas expetativas como um tudo. Focou-se em muitos aspetos (aspetos negativos da depressão, aspetos pós-depressão, foco após depressão) nota-se talento deste autor para escrita e merece toda a crebilidade e respeito. Não só pela crebilidade , mas por tudo o que passou, pelo fato de não se ter deixado consumar, pelo fato de ter conseguido publicar este e outros livros que publicou e tantos outros que vai publicar. Feito que não conseguiria se tivesse deixad consumir. Nunca esta frase fez tanto sentido, como agora: “Life can sometimes feel like an overproduced song, with a cacophony of a hundred instruments playing all at once. Sometimes the song sounds better stripped back to just a guitar and a voice. Sometimes, when a song has too much happening, it's hard to hear the song at all.”

DETALHES DO PRODUTO

Razões para viver
ISBN: 978-972-0-04814-1
Edição/reimpressão: 04-2016
Editor: Porto Editora
Código: 04814
Idioma: Português
Dimensões: 142 x 210 x 19 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 264
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros > Livros em Português > Desenvolvimento Pessoal e Espiritual > Autoajuda

sobre Matt Haig

Matt Haig nasceu em 1975. Foi jornalista e colaborou em diversas publicações, nomeadamente o Guardian, o Sunday Times e o Independent. Vários livros seus foram adaptados ao cinema e conquistaram prémios, bem como os elogios da crítica e dos leitores. O seu livro mais recente, A Família Radley, uma história de vampiros, assinala a sua estreia em Portugal.
Ver Mais

DO MESMO AUTOR

Portes Grátis

Em Stock

O mundo à beira de um ataque de nervos

de Matt Haig

13,95€

15,50€

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK