Vazio seguido de A Vida da Vida
Vazio seguido de A Vida da Vida

Vazio seguido de A Vida da Vida

Diogo Saldanha, Tomás Maia, Marta Maranha
ISBN: 978-972-37-1565-1
Edição/reimpressão: 11-2010
Editor: Assírio & Alvim
Código: 79046
ver detalhes do produto
8,00€ I
-10%
COMPRAR
-10%
8,00€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO EM CARTÃO
I dias

CRÍTICAS DE IMPRENSA

«(O enigma da arte estará nisso: fazer do medo desconhecido— melhor: do medo do desconhecido—o seu motivo secretamente inspirador: sons e imagens, se posso dizê-lo outra vez, que nos assombram. A arte não passou, não passa “da idade do medo”. Mas, precisamente por isso, ela tem algo a ensinar aos homens que visivelmente não sabem o que fazer com o medo (com o medo primordial) que os domina e os divide em dominados e dominantes.)»
«Terá sido também lá que a luz começou a escavar, a concavar a matéria.
E como a forma da luz é o vazio, a forma mais profunda dessa escavação é o olho. O olho é o vazio escavado pela própria luz na matéria. É a escavação cega que a luz deu à luz.
Sem esse vazio, a matéria não distinguiria a direcção e a fonte de luz; sem ele, não haveria imagem—mas somente o claro e o escuro, a noite e o dia. E assim apenas, talvez, o pressentimento (o pré-sentimento) do medo. Desse medo tão arcaico do escuro.
Esse vazio não é portanto o nada—de resto, o vazio nunca foi confundido com o nada na história da física (nem, num outro sentido, na história da metafísica). Ele é o que resta de material quando se procura anular toda a matéria (toda a materialidade objectiva). O vazio é a matéria inanulável—aquilo a que, na extremidade daquela história, se deu o nome de espaço-tempo (e que Kant pensou como condições—formas vazias ou puras—da sensibilidade). Ora, escavar umvazio luminoso namatéria é abri-la a umespaço-tempo outro: distinto do espaço que ocupa essa matéria, e diferente do tempo próprio dessa mesma matéria (do tempo do seu metabolismo, por exemplo).»

DETALHES DO PRODUTO

Vazio seguido de A Vida da Vida
de Diogo Saldanha, Tomás Maia, Marta Maranha
ISBN: 978-972-37-1565-1
Edição/reimpressão: 11-2010
Editor: Assírio & Alvim
Código: 79046
Idioma: Português
Dimensões: 171 x 210 x 6 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 48
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros > Livros em Português > Arte > Estilos e Influências

sobre Tomás Maia

Licenciatura em Artes Plásticas – Pintura pela Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa (1991); D.E.A. (Diplome d’Études Approfondies) no Centro de História e Teoria da Arte da École des Hautes Études en Sciences Sociales Paris (1993) (equivalência ao grau de Mestre atribuído pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, em Julho de 2002); Doutoramento em Filosofia de Arte na Université Marc Bloch – Strasbourg (2004).

Em França, na qualidade de bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, do Centro Nacional de Cultura e da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, foi aluno de Louis Marin, de Jean-Luc Nancy e de Philippe Lacoue-Labarthe. Publicou a obra Assombra. Ensaio Sobre a Origem da Imagem, livro com fotogramas de Marta Maranha e Diogo Saldanha (Lisboa, Assírio & Alvim, 2009). Desde 2004, retomou a sua atividade artística. O seu trabalho com André Maranha – Scena (para duas vozes) – foi apresentado em Lisboa (2008) e em Lucca (Itália, 2009). Em 2012 os dois autores publicaram em conjunto as obras Éden – O filme desta terra e Scena (para duas vozes).
Ver Mais

Conheça as nossas novidades

Seja o primeiro a conhecer os livros que acabaram de chegar, notícias sobre autores, conteúdo exclusivo e muito mais!

Conheça as nossas novidades

Seja o primeiro a conhecer os livros que acabaram de chegar, notícias sobre autores, conteúdo exclusivo e muito mais!