Os Rios Profundos
Os Rios Profundos

Os Rios Profundos

ISBN: 978-972-37-0293-4
Edição/reimpressão: 04-1992
Editor: Assírio & Alvim
Código: 78267
Coleção: O Imaginário
ver detalhes do produto
15,00€ I
-10%
PORTES
GRÁTIS
COMPRAR
-10%
PORTES
GRÁTIS
15,00€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO EM CARTÃO
I ESGOTADO OU NÃO DISPONÍVEL
I PORTES GRÁTIS

SINOPSE

A obra de Arguedas reflecte as experiências da sua vida vincada pelo contacto, durante a infância, com os índios quíchuas. O estilo é vigoroso, mantendo sempre uma grande tensão lírica e recorrendo a inúmeros termos ameríndios, assimilando-se assim a cadência e o encantamento da oralidade. Como escreveu Joaquim Montezuma de Carvalho, "O Peru teve a sorte de ter um escritor com língua própria, José María Arguedas. Um escritor muito especial e que só as circunstâncias do seu passado e do seu temperamento nos iluminam e esclarecem". Os Rios Profundos juntamente com Todos os Sangues são as suas obras principais. Segundo Saúl Yurkievich, "Arguedas demorou mais de dez anos para terminar Os Rios Profundos. (...) A sua obra completa não é abundante mas toda ela se integra numa só órbita e constitui um avanço contínuo para a expressão cada vez mais essencial e mais artística da sua própria infância como acesso à alma do seu povo".

Ver Mais

DETALHES DO PRODUTO

Os Rios Profundos
de José Maria Arguedas
ISBN: 978-972-37-0293-4
Edição/reimpressão: 04-1992
Editor: Assírio & Alvim
Código: 78267
Coleção: O Imaginário
Idioma: Português
Dimensões: 136 x 211 x 19 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 288
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros > Livros em Português > Literatura > Romance

sobre José Maria Arguedas

José María Arguedas é peruano, tendo nascido em Andahuaylas, no ano de 1911. Tinha três anos quando morre a sua mãe. Acompanha então o pai, advogado e juiz, em constantes viagens pelo interior do Peru, em parte devido a fugas motivadas por perseguições políticas.
O pai casa novamente e entra na história a madrasta má. "Yo soy hechura de mi madrasta." A madrasta odeia-o e por castigo manda-o habitualmente comer e dormir com os índios na cozinha. Conclui mais tarde José María Arguedas: "Nunca poderei agradecer suficientemente à minha madrasta tal castigo, pois foi nessa cozinha que conheci os índios, onde comecei a amá-los". Os maus tratos levam José María Arguedas a refugiar-se num povoado de índios de Utec. Na verdade, até aos dez anos aprende a expressar-se apenas na língua quíchua. Em 1926 foi internado num colégio que abandona no ano seguinte. Em 1931 estuda na Universidade em Lima. Em 1932 morre-lhe o pai, tem dificuldades económicas e encontra um emprego nos Correios, estudando canto e literatura. É, mais tarde, nomeado para cargos públicos ligados à educação, ao folclore e à antropologia. Recebe vários prémios.
Morre a 2 de dezembro de 1969 em consequência de um tiro disparado sobre si mesmo. José María Arguedas é um dos maiores escritores americanos de sempre, com obra publicada mundialmente.
Ver Mais

Conheça as nossas novidades

Seja o primeiro a conhecer os livros que acabaram de chegar, notícias sobre autores, conteúdo exclusivo e muito mais!

Conheça as nossas novidades

Seja o primeiro a conhecer os livros que acabaram de chegar, notícias sobre autores, conteúdo exclusivo e muito mais!