Onde o Homem Acaba e a Maldição Começa
Onde o Homem Acaba e a Maldição Começa

Onde o Homem Acaba e a Maldição Começa

ISBN: 978-972-37-0115-9
Edição/reimpressão: 04-1989
Editor: Assírio & Alvim
Código: 78203
Coleção: Alfinete
ver detalhes do produto
9,00€ I
-10%
COMPRAR
-10%
9,00€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO EM CARTÃO
I dias

DETALHES DO PRODUTO

Onde o Homem Acaba e a Maldição Começa
de Emídio Santana
ISBN: 978-972-37-0115-9
Edição/reimpressão: 04-1989
Editor: Assírio & Alvim
Código: 78203
Coleção: Alfinete
Idioma: Português
Dimensões: 115 x 185 x 11 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 192
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros > Livros em Português > Literatura > Biografias

sobre Emídio Santana

Emídio Santana (1906 -1988) foi o mais conhecido e importante militante anarco-sindicalista da geração que, tendo nascido no período da Monarquia, viveu grande parte da sua vida no período conturbado que se seguiu à implantação da República. Lutou como poucos e com grandes sacrifícios pessoais e familiares contra a Ditadura, assistiu à Revolução de 1974 e nunca desistiu de contribuir para o afastamento das ideias totalitárias que procuraram impor-se logo após o 25 de Abril. Foi militante anarco-sindicalista desde os 18 anos de idade ao lado de ilustres figuras da oposição e de intelectuais da sua época. Mas também exerceu a profissão de carpinteiro de moldes por necessidade de um ofício e foi desenhador durante uma parte da sua vida. Sempre foi um autodidata, possuidor de uma cultura invejável. Muito jovem aderiu à organização sindical dos metalúrgicos de Lisboa e às Juventudes Sindicalistas (de que foi secretário-geral), foi dirigente da Federação Mineira e Metalúrgica em 1931-32 e um dos autores do plano do atentado contra Salazar em julho de 1937 — custou-lhe uma pena de 16 anos de prisão na cadeia na Penitenciária de Coimbra, onde realizou obras socialmente reconhecidas. Dedicou-se ao cooperativismo, à defesa do inquilinato urbano e assumiu a direção do jornal A Batalha, na sua VI série, desde 1974 até à sua morte. Participou na criação do Centro de Estudos Libertários (CEL), em 1979, e do Arquivo Histórico Social (AHS), com João Freire e outros militantes, depositado na Biblioteca Nacional (BN). O livro Memórias de um Militante Anarco-sindicalista relata a sua vida aventureira e é um retrato imperdível da sociedade em que viveu.
Ver Mais

Conheça as nossas novidades

Seja o primeiro a conhecer os livros que acabaram de chegar, notícias sobre autores, conteúdo exclusivo e muito mais!

Conheça as nossas novidades

Seja o primeiro a conhecer os livros que acabaram de chegar, notícias sobre autores, conteúdo exclusivo e muito mais!