O Mestre

O Mestre

Santo Agostinho, António Soares Pinheiro, Sto. Agostinho, Maria Leonor Xavier, Maria Leonor Xavier
ISBN:978-972-0-41078-8
Edição/reimpressão:12-1999
Editor:Porto Editora, S.A.
Código:41078
ver detalhes do produto
8,40€
7,56€
-20%
EM
STOCK
COMPRAR
-20%
EM
STOCK
8,40€
7,56€
COMPRAR
I10% DE DESCONTO IMEDIATO + 10% EM CARTÃO
IEm stock - Envio imediato

SINOPSE

Esta é uma obra que trata de Filosofia da Linguagem, mas também de Filosofia do Conhecimento.

Em diálogo com o filho Adeodato, Santo Agostinho começa por questionar a eficácia do acto de ensinar e, de caminho, o papel mediador da linguagem na relação entre mestre e discípulo.

Com este exercício, Santo Agostinho distingue entre a pedagogia verbal ? modo de ensinar por meio de palavras ? da pedagogia ostensiva ? modo de ensinar sem palavras, mostrando directamente as coisas ? considerando que aquela pressupõe um conhecimento anterior por parte do discípulo e esta depende da actividade inteligente do observador.

Daqui conclui que a linguagem não pode ser causa do conhecimento da realidade significada e que aprender não depende do saber do mestre exterior, isto é, aquele que usa a linguagem significante como meio de ensino - depende, sim, da luz do «Mestre interior», Cristo, que é a origem do conhecimento superior, a própria Verdade.

A função do mestre deve ser, pois, despertar o discípulo para o conhecimento interior da verdade.

Tradução de António Soares Pinheiro.
Introdução e comentários de Maria Leonor Xavier.

Ver Mais

DETALHES DO PRODUTO

O Mestre
de Santo Agostinho, António Soares Pinheiro, Sto. Agostinho, Maria Leonor Xavier, Maria Leonor Xavier
ISBN:978-972-0-41078-8
Edição/reimpressão:12-1999
Editor:Porto Editora, S.A.
Código:41078
Idioma:Português
Dimensões:140 x 207 x 6 mm
Encadernação:Capa mole
Páginas:128
Tipo de Produto:Livro
Classificação Temática: Livros em Português > Ciências Sociais e Humanas > Filosofia > Livros Escolares > Apoio Escolar > 12.º Ano > Guias de estudo/resumos

sobre Santo Agostinho

Santo Agostinho
Agostinho cresceu no norte da África colonizado por Roma, educado em Cartago. Foi professor de retórica em Milão em 383. Seguiu o Maniqueísmo nos seus dias de estudante e se converteu ao cristianismo pela pregação de Ambrósio de Milão. Foi batizado na Páscoa de 387 e retornou ao norte da África, estabelecendo em Tagaste uma fundação monástica junto com alguns amigos. Em 391 foi ordenado sacerdote em Hipona. Tornou-se um pregador famoso (há mais de 350 sermões dele preservados, e crê-se que são autênticos) e notado pelo seu combate à heresia do Maniqueísmo. Defendeu também o uso de força contra os Donatistas, perguntando "Por que (...) a Igreja não deveria usar de força para compelir seus filhos perdidos a retornar, se os filhos perdidos compelem outros à sua própria destruição?" (A Correção dos Donatistas, 22-24) Em 396 foi nomeado bispo assistente de Hipona (com o direito de sucessão em caso de morte do bispo corrente), e permaneceu como bispo de Hipona até sua morte em 430. Deixou seu monastério, mas manteve vida monástica em sua residência episcopal. Deixou a Regula para seu monastério que o levou a ser designado o "santo Patrono do Clero Regular", que é uma paróquia de clérigos que vivem sob uma regra monástica. Agostinho morreu em 430 durante o cerco de Hipona pelos Vândalos. Diz-se que ele encorajou seus cidadãos a resistirem aos ataques, principalmente porque os Vândalos haviam aderido ao arianismo, que Agostinho considerava uma heresia.
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK