Contos

Contos

Eça De Queirós, Eça de Queirós
avaliação dos leitores (2 comentários)
(2 comentários)
Formatos disponiveis
5,28€
6,60€
-20%
EM
STOCK
COMPRAR
-20%
EM
STOCK
5,28€
6,60€
COMPRAR
I20% DE DESCONTO IMEDIATO
IEm stock - Envio 24H

SINOPSE

Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para a Formação de Adultos como sugestão de leitura.

No prefácio dos "Azulejos do Conde de Arnoso", emite Eça a sua opinião sobre o conto: "No conto tudo precisa de ser apontado num risco leve e sóbrio: das figuras deve-se ver apenas a linha flagrante e definidora que revela e fixa uma personalidade; dos sentimentos, apenas o que caiba num olhar, ou numa dessas palavras que escapa dos lábios e traz todo o ser; da paisagem somente os longes, numa cor unida".

O enredo é simples, linear. Não é analítico. Há neles concentração de ação, tempo e espaço. Eça realiza-se também como contista.

Lilaz Carriço, in Literatura Prática II, p. 245, Porto Editora, 1999
Ver Mais

COMENTÁRIOS DOS LEITORES

Cada conto, uma reflexão
Paula Pereira |2018-03-16
Inserido no Plano Nacional de Leitura, mas para todos os adultos reflectirem. Destaque para: - Singularidades de uma Raparigs Loira; - No Moinho; - Civilização; - Frei Genebro; - O Defunto; - José Matias - A Aia
Leitura fácil, livro próprio para o ensino
Norberto Cavaleiro |2016-09-10
Livro de leitura fácil para alunos do 9º ano, dá a possibilidade de ler cada Conto como uma história, sem ter de se questionar sobre o significado do contexto da frase ou palavra usada.

DETALHES DO PRODUTO

Contos
de Eça De Queirós, Eça de Queirós
ISBN:978-972-0-04952-0
Edição/reimpressão:08-2017
Editor:Porto Editora, S.A.
Código:04952
Idioma:Português
Dimensões:128 x 198 x 20 mm
Encadernação:Capa mole
Páginas:256
Tipo de Produto:Livro
Classificação Temática: Livros em Português > Literatura > Contos > Plano Nacional de Leitura > Formação de Adultos > Sugestões de Leitura > Apoio Escolar > 9.º Ano > Leituras Orientadas

sobre Eça de Queirós

Eça de Queiroz
Eça de Queiroz nasceu a 25 de Novembro de 1845 na Póvoa de Varzim e é considerado um dos maiores romancistas de toda a literatura portuguesa, o primeiro e principal escritor realista português, renovador profundo e perspicaz da nossa prosa literária.
Entrou para o Curso de Direito em 1861, em Coimbra, onde conviveu com muitos dos futuros representantes da Geração de 70. Terminado o curso, fundou o jornal , em 1866, órgão no qual iniciou a sua experiência jornalística. Em 1871, proferiu a conferência «O Realismo como nova expressão da Arte», integrada nas Conferências do Casino Lisbonense e produto da evolução estética que o encaminha no sentido do Realismo-Naturalismo de Flaubert e Zola. No mesmo ano iniciou, com Ramalho Ortigão, a publicação de As Farpas, crónicas satíricas de inquérito à vida portuguesa.
Em 1872 iniciou a sua carreira diplomática, ao longo da qual ocupou o cargo de cônsul em Havana, Newcastle, Bristol e Paris. Foi, pois, com o distanciamento crítico que a experiência de vida no estrangeiro lhe permitiu que concebeu a maior parte da sua obra romanesca, consagrada à crítica da vida social portuguesa e de onde se destacam O Primo Bazilio, O Crime do Padre Amaro, A Relíquia e Os Maias, este último considerado a sua obra-prima. Morreu a 16 de Agosto de 1900, em Paris.
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK