Cinco Mil Anos de Cultura a Oeste

Cinco Mil Anos de Cultura a Oeste

Etno-História da Religião Popular numa Região da Estremadura

ISBN: 978-972-37-0950-6
Edição/reimpressão: 04-2005
Editor: Assírio & Alvim
Código: 78127
ver detalhes do produto
33,00€ I
-10%
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
COMPRAR
-10%
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
33,00€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO EM CARTÃO
I EM STOCK
I PORTES GRÁTIS

SINOPSE

Numa «quadrícula» da Estremadura (concelhos de Nazaré, Alcobaça, Rio Maior, Porto de Mós, Batalha e Leiria) tomando por guião a religião popular (que é ancestral e imorredoura) e a toponímia (libertada dos estereótipos latinistas e arabistas), o autor põe a claro estratos da cultura lusitano-fenícia (ou lusitano-púnica) que foi tabu académico até aos anos 80 do século XX (proibido investigar). A partir duma capela à Senhora da Luz, perto de Aljubarrota e do que foi o porto lusitano-fenício de Cós, deparamo-nos com um santuário megalítico à Lua (ainda quase intacto) e com resquícios do mito da «Descida de Istar aos Infernos» referente aos mistérios de Istar/Ísis (a Lua). A Lua foi uma das expressões da «Magna Mater» dos lusitanos (ainda invocada há trinta anos) donde provêm a Senhora da Conceição popular e a Senhora dos Prazeres (nome que não teve relação com gozos). De fio a fio, descobre-se que a história da Senhora da Nazaré é a tradução dum poema épico fenício escrito no século XV a.C., que a lenda de Santo Amaro procede da «Epopeia de Guilgamesh» (texto babilónico do século XXV a.C.) e que das mesmas paragens vieram outros deuses que deram os cultos populares de S. Brás, S. Bartolomeu, Santo António, Santa Susana, S. João (e a Moura Encantada)… Com uma digressão pelas fontes da região, ficamos a saber que algumas - pelos seus nomes - já foram lusitanas: ora de casamentos ora medicinais e uma, até, em memória da aparição da deusa Istar a uma rapariga. De lugar em lugar, por entre mitos e arqueossítios, emerge um vasto rol de descobertas como, por exemplo, a lenda da Padeira de Aljubarrota que foi um ditote lusitano-fenício/púnico referente a ladrões de celeiros, extraído do nome da terra. No fim da caminhada descobre-se uma rede de silos de cereais escavados na rocha (afro-orientais, da civilização púnica). E como esta cultura veio pelo mar, atente-se a como a gíria dos marujos portugueses foi a linguagem técnica dos mareantes acádico-fenícios.
Ver Mais

DETALHES DO PRODUTO

Cinco Mil Anos de Cultura a Oeste
ISBN: 978-972-37-0950-6
Edição/reimpressão: 04-2005
Editor: Assírio & Alvim
Código: 78127
Idioma: Português
Dimensões: 168 x 239 x 31 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 544
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros > Livros em Português > Religião e Moral > Ciência e História das Religiões

Conheça as nossas novidades

Seja o primeiro a conhecer os livros que acabaram de chegar, notícias sobre autores, conteúdo exclusivo e muito mais!

Conheça as nossas novidades

Seja o primeiro a conhecer os livros que acabaram de chegar, notícias sobre autores, conteúdo exclusivo e muito mais!