A Liberdade de Pátio

A Liberdade de Pátio

avaliação dos leitores (2 comentários)
(2 comentários)
Formatos disponiveis
13,30€
11,97€
-20%
24H
EM
STOCK
COMPRAR
-20%
24H
EM
STOCK
13,30€
11,97€
COMPRAR
I10% DE DESCONTO IMEDIATO + 10% EM CARTÃO
IEm stock - Envio imediato

SINOPSE

Grande Prémio de Conto "Camilo Castelo Branco" CM Vila Nova de Famalicão/APE



Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para o Ensino Secundário como sugestão de leitura.

Um homem é incumbido de transportar uma estranha caixa contendo uma cabeça. Um excelso professor vê-se condenado a passar o resto dos seus dias numa prisão deveras invulgar. A história por detrás da internacionalização de uma das maravilhas culinárias de Portugal. Quatro professores reformados que o destino uniu num jardim municipal decidem aliar as suas bibliotecas. Um frequentador assíduo do metro calha em faltar com a sua palavra, despertando a indignação de um dos funcionários. Um comandante da Marinha incapaz de aceitar um não. As memórias da iniciação sexual de um jovem, num tempo em que os tios tomavam a seu cargo essa tarefa. Sete contos. Sete histórias que representam a multiplicidade de registos na escrita inigualável de Mário de Carvalho.
Ver Mais

COMENTÁRIOS DOS LEITORES

Mário de Carvalho nunca desilude
Rita Oliveira |02.06.2014
Há anos, muitos anos, que não lia um livro de Mário de Carvalho. Não porque não goste, mas porque outras coisas foram aparecendo pelo caminho. Este é um livro de contos, quase todos um pouco surreais, com finais abertos ou totalmente surpreendentes, que se leem num ápice (não tenho memória da última vez que li um livro em menos de um dia...). Um funcionário do metro que é capaz de tudo para tentar que alguém cumpra a sua palavra. Uma alternativa aos pastéis de nata como internacionalização da gastronomia portuguesa. Quatro idosos que decidem juntar as bibliotecas das suas vidas sem fazerem ideia do que um dia será feito delas. E mais quatro histórias de que não falo sob pena de as estragar. E grande capa, também, que infelizmente não consegui descobrir na ficha técnica de quem é.
A ler!
Emanuel Guerreiro |05.01.2014
Eis a nona colectânea de contos publicada por Mário de Carvalho, revelando, mais uma vez e como sempre, o domínio da língua portuguesa e a capacidade inventiva e criativa que já dera provas em Contos da Sétima Esfera, Casos do Beco das Sardinheiras ou Contos Vagabundos, por exemplo. Agrupados e divididos em três conjuntos («Névoas», «Esgares» e «Vincos»), destaco as narrativas «A liberdade de pátio» e «Os caminhos do sucesso»: no primeiro, um prisioneiro é tratado reverencialmente, sem que nenhum dos seus pedidos seja atendido; o segundo apresenta um português que vence na Inglaterra com uma sopa típica nacional, exportando-a aos pacotes, e revelando-se a inveja e mesquinhez tão portuguesa dos que ficam aqui sentados a falar da acção dos outros lá fora.

DETALHES DO PRODUTO

A Liberdade de Pátio
Edição/reimpressão:12-2013
Editor:Porto Editora
Dimensões:142 x 210 x 10 mm
Encardenação:Capa mole
Páginas:104
Tipo de Produto:Livro
Classificação Temática: Livros em Português > Literatura > Contos > Plano Nacional de Leitura > 10.º ano > Sugestões de Leitura > 11.º ano > Sugestões de Leitura > 12.º ano > Sugestões de Leitura
Mário de Carvalho nasceu em Lisboa em 1944. Licenciou-se em Direito e viu o serviço militar interrompido pela prisão. Desde muito cedo ligado aos meios da resistência contra o salazarismo, foi condenado a dois anos de cadeia, tendo de se exilar após cumprir a maior parte da pena. Depois da Revolução dos Cravos, em que se envolveu intensamente, exerceu advocacia em Lisboa. O seu primeiro livro, Contos da Sétima Esfera, causou surpresa pelo inesperado da abordagem ficcional e pela peculiar atmosfera, entre o maravilhoso e o fantástico.
Desde então, tem praticado diversos géneros literários – romance, novela, conto, ensaio e teatro –, percorrendo várias épocas e ambientes, sempre em edições sucessivas. Utiliza uma multiforme mudança de registos, que tanto pode moldar uma narrativa histórica como um romance de atualidade; um tema dolente e sombrio como uma sátira viva e certeira; uma escrita cadenciada e medida como a pulsão duma prosa endiabrada e surpreendente.
Nas diversas modalidades de Romance, Conto e Teatro, foram atribuídos a Mário de Carvalho os prémios literários portugueses mais prestigiados (designadamente os Grandes Prémios de Romance, Conto e Teatro da APE, o prémio do Pen Clube e o prémio internacional Pégaso). Os seus livros encontram-se traduzidos em várias línguas.
Obras como A Inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho, Um Deus Passeando pela Brisa da Tarde, O Varandim seguido de Ocaso em Carvangel, A Liberdade de Pátio ou Quem Disser o Contrário É Porque Tem Razão são a comprovação dessa extrema versatilidade.
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK