A Escrava de Córdova

A Escrava de Córdova

avaliação dos leitores (8 comentários)
(8 comentários)
Formatos disponiveis
18,80€
-10%
24H
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
COMPRAR
-10%
24H
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
18,80€
COMPRAR
I10% DE DESCONTO EM CARTÃO
IEm stock - Envio imediato
IPORTES GRÁTIS

SINOPSE

Conseguirá o amor vencer as barreiras da religião?

A Escrava de Córdova segue a vida de Ouroana, uma jovem cristã em demanda pela liberdade e pelo seu lugar especial no mundo. Confrontada com as adversidades do tempo em que lhe foi concedido viver, e em nome do coração, a jovem terá de questionar a educação, as convicções e a fé que sempre orientaram a sua existência. Será, por entre a efervescência das mesquitas e o recato das igrejas graníticas da sua terra, que a revelação por que tanto almeja a iluminará.
Uma história inolvidável de busca de felicidade que tem lugar nos séculos X-XI, numa época pouco tratada pela Historiografia oficial e mesmo pela ficção romanceada. Um pretexto para uma brilhante explicação sobre o caldo cultural e civilizacional celto-muçulmano dos atuais povos peninsulares e uma profunda explanação sobre as origens, fundamentos e consequências da conflituosidade étnico-religiosa que hoje, tal como no distante ano 1000, ainda grassa no mundo.
Alberto S. Santos, com rigor histórico e descrições impressivas, revela-nos a mentalidade, a geografia, o quotidiano urbano, as conceções religiosas, a fremente História do dobrar do primeiro milénio, e, sobretudo, a intensidade com que se vivia na terra onde, mais tarde, nasceram Espanha e Portugal. Dá-nos ainda a conhecer o ângulo mais brilhante, mas também o mais duro e cruel, da civilização muçulmana do al-Andalus.

Prefaciado por José Rodrigues dos Santos e com revisão científica do arabista Rui Santos e do escritor Adalberto Alves, especialista em cultura árabe.

5.a edição - Mais de 20 mil exemplares vendidos
Ver Mais

CRÍTICAS DE IMPRENSA

… reconfortante, para quantos sentem o fascínio da Idade Média, tempo de luz e de espiritualidade, que não de trevas, como vulgarmente se diz, ver surgir mais um autor português que, com talento, contribui para resgatar do olvido a época de ouro que foi, no nosso território, a do Gharb al-Andalus.
Adalberto Alves, escritor, jurista e conferencista
Lê-se com prazer e permanente curiosidade e ultrapassa, por essa mensagem, o vulgar romance histórico.
Urbano Tavares Rodrigues
Tese eficaz e arrojada, onde creio que pensadores e filósofos vão passar boa parte do século XXI, um dos claros pontos de sucesso do romance.
Pedro Sena-Lino, escritor e crítico literário
Diariamente chegam-me às mãos dezenas de manuscritos de autores emergentes que procuram conhecer a minha opinião sobre o seu trabalho. Nenhum me surpreendeu tanto como A Escrava de Córdova.
José Rodrigues dos Santos, escritor e jornalista
Reflexão poderosa, acutilante e pertinente da necessidade de diálogo entre as várias cosmovisões (do mundo).
Rádio Universitária do Minho
Uma primeira obra cheia de pujança ficcional e literária, tecida com um apurado e sentido gosto estéticos.
Rádio Universitária do Minho
Grande romance.
Rádio Universitária do Minho
O primeiro romance do Presidente da Câmara de Penafiel conta (...) o quotidiano, a geografia e mentalidade da civilização celto-muçulmana.
Revista LER
Uma história (...) sobre o caldo cultural e civilizacional fundador dos actuais povos peninsulares e uma profunda explanação sobre a conflituosidade étnica e religiosa.
Revista Os Meus Livros
Uma teia ficcional muito interessante, carregada de cenas emocionantes, de magia medieval e mitos antigos, bem como de explicações eruditas. Lê-se com prazer e permanente curiosidade e ultrapassa, por essa mensagem, o vulgar romance histórico.
Urbano Tavares Rodrigues
Notável e intelectualmente irrepreensível.
Expresso
Ler este romance fez-me lembrar Amin Maalouf e O Périplo de Baldassare. Aqui vemos o mesmo gosto pelo detalhe e pelo pitoresco, num livro escrito com tanta alma que nos faz desejar ler sempre a próxima página.
José Rodrigues dos Santos, escritor e jornalista
A Escrava de Córdova apresenta uma sólida documentação histórica, aliada a uma intriga interessante e bem modelada, quer ao nÌvel das personagens, quer ao nÌvel das descrições e da reconstituição dos ambientes.
Maria de Fátima Marinho, Professora Catedrática
A Escrava de Córdova tem como tese a convivência entre muçulmanos e cristãos (e também judeus), propondo a ideia de um Deus único que se manifesta culturalmente de formas diferentes.
Pedro Sena-Lino, escritor e crítico literário

COMENTÁRIOS DOS LEITORES

Excelente
Jorge |2016-06-30
Adoro romances históricos, e este surpreendeu-me.
Leitura deliciosa
Marina Sousa |2014-11-07
Um livro com muitas histórias sobre a nossa terra, durante o séc X.

DETALHES DO PRODUTO

A Escrava de Córdova
ISBN:978-972-0-04166-1
Edição/reimpressão:05-2016
Editor:Porto Editora
Código:04166
Idioma:Português
Dimensões:152 x 235 x 32 mm
Encadernação:Capa mole
Páginas:472
Tipo de Produto:Livro
Classificação Temática: Livros em Português > Literatura > Romance > Plano Nacional de Leitura > 10.º ano > Sugestões de Leitura > 11.º ano > Sugestões de Leitura > 12.º ano > Sugestões de Leitura
Alberto S. Santos é formado em Direito pela Universidade Católica Portuguesa. É natural de Paço de Sousa, Penafiel, onde reside. Publicou os romances bestsellers A Escrava de Córdova (2008), A Profecia de Istambul (2010), O Segredo de Compostela (2013) e Para lá de Bagdad (2016). É autor da coletânea de histórias A Arte de Caçar Destinos (2017) e participa ainda na série de contos de autores lusófonos Roça Língua (2014).
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK