A Divina Pestilência
A Divina Pestilência

A Divina Pestilência

avaliação dos leitores (1 comentários)
(1 comentários)
Prémio Literário Manuel António Pina
ISBN: 978-972-37-1576-7
Edição/reimpressão: 03-2011
Editor: Assírio & Alvim
Código: 79066
ver detalhes do produto
10,00€ I
-10%
COMPRAR
-10%
10,00€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO EM CARTÃO
I dias

CRÍTICAS DE IMPRENSA

«O poema serve de mortalha, ignoro de que ocultos metais é constituída a arte dos dedos.»

COMENTÁRIOS DOS LEITORES

Prémios Literários
Manuel Vilela | 2022-02-10
Esta obra foi galardoada em 2011, na sua primeira edição, com o Prémio Literário Manuel António Pina, atribuído pelo Município da Guarda em parceria com a editora Assírio & Alvim e com o poeta homenageado com o prémio a integrar o júri.

DETALHES DO PRODUTO

A Divina Pestilência
de João Rasteiro
ISBN: 978-972-37-1576-7
Edição/reimpressão: 03-2011
Editor: Assírio & Alvim
Código: 79066
Idioma: Português
Dimensões: 146 x 205 x 7 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 80
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros > Livros em Português > Literatura > Poesia

sobre João Rasteiro

João Rasteiro (Ameal – Coimbra, 1965), poeta e ensaísta. Licenciado em Estudos Portugueses e Lusófonos pela Universidade de Coimbra, integra actualmente a Direcção do P.E.N. Clube Português. Integra ainda os Conselhos Editorias das Revistas DEVIR - Revista Ibero-americana de Cultura e Folhas - Letras & Outros ofícios.
Publicou em diversas revistas e antologias em Portugal, Brasil, Itália, França, Espanha, Finlândia, República Checa, Hungria, Moçambique, México, USA, Colômbia, Nicarágua e Chile, possuindo poemas traduzidos para o espanhol, italiano, catalão, inglês, francês, checo, japonês, finlandês, húngaro e occitano.
Obteve vários prémios, mormente a “Segnalazione di Merito” Premio Publio Virgilio Marone, Itália, 2003 e o Prémio Literário Manuel António Pina, 2010. Foi um dos 20 finalistas do Prémio Portugal Telecom de Literatura (Poesia), 2012.
Livros: A Respiração das Vértebras, 2001; No Centro do Arco, 2003; Os Cílios Maternos, 2005; O Búzio de Istambul, 2008; Pedro e Inês ou As madrugadas esculpidas, 2009; Diacrítico, 2010; A Divina Pestilência, 2011; Elegias, 2011; Tríptico da Súplica (Brasil), 2011; Pequeña Retrospectiva de la Puesta en Escena (Espanha, bilingue), 2014; Salamanca o la Memoria del Minotauro (bilingue, 2014); Solstício de Dezembro (Ed. restrita de autor, 2014); acrónimo, 2015; Ruídos e Motins, 2016; O gosto solitário do orvalho, 2016; a plaquete, "Natal de quê? De quem?", 2016, 2017, 2018, 2019; A Rose is a Rose is a Rose et Coetera, 2017 (2º ed. 2018); Eu cantarei um dia da tristeza (e-manuscrito, 2017); Poemas en Punto de Hueso: 2001-2017 (Espanha, bilingue, 2017; 2º ed. 2019), Levedura, 2019 e Governadores de Orvalho (contos), 2020.
Em 2009 integrou o livro “O que é a poesia?” (Brasil), organizado pelo poeta Edson Cruz.
Em 2012, 2017 e 2018 integrou, respectivamente, as antologias, "Corté la naranja en dos”, (poesia portuguesa contemporânea, México, Ediciones Libera - compilação e tradução de Fernando Reyes da Universidade Nacional Autónoma do México), “Voces de Portugal. Once poetas de hoy” (Colección Series Mino, 2017 - tradução e coordenação de Pedro Sánchez Sanz) e, a antologia sobre a literatura portuguesa, em número especial organizada e editada pela revista Luvina, revista literária da universidade de Guadalajara, México, no âmbito da Feira do livro de Guadalajara em que Portugal foi o país convidado.
Em 2009 e 2018 organizou antologias dedicadas à poesia portuguesa contemporânea, respectivamente: "Poesia Portuguesa Hoje" (Arquitrave, Colômbia) e “Aquí, en Esta Babilonia” (Amargord, Espanha).
Integrou, desde a sua fundação, o "Cabo Mondego Section of the Portuguese Surrealism”.
Tem participado em diversos festivais literários (essencialmente de poesia), tanto em Portugal, como no estrangeiro, bem como na realização de Oficinas de Escrita Criativa, nomeadamente com os mais novos, em diversas escolas do país.
Em 2017, o grupo 'Os Controversos' (com encenação e adaptação dramatúrgica de Ricardo Kalash) levou à cena a peça 'A rose is a rose', a partir do livro "A rose is a rose is a rose et coetera" (Edições Sem Nome, 2017).
Tem participação diversa (letras), em vários CDs de Fado (Canção) de Coimbra.
Vive e trabalha em Coimbra (Casa da Escrita / Município de Coimbra).
Graça Capinha (FLUC/U.C.), afirma que a poesia de João Rasteiro: “é uma poesia do corpo, físico e essencialmente do corpo da linguagem, com influências que vão desde Herberto Helder a Gertrude Stein".
Ver Mais

DO MESMO AUTOR

Portes Grátis

Em Stock

Ofício

Poesia 2000-2020

de João Rasteiro

23,30€

Conheça as nossas novidades

Seja o primeiro a conhecer os livros que acabaram de chegar, notícias sobre autores, conteúdo exclusivo e muito mais!

Conheça as nossas novidades

Seja o primeiro a conhecer os livros que acabaram de chegar, notícias sobre autores, conteúdo exclusivo e muito mais!