A Cidade e as Serras (eBook)

avaliação dos leitores (5 comentários)
(5 comentários)
Formatos disponíveis
6,99€ I
-10%
COMPRAR
-10%
6,99€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO EM CARTÃO
I Disponibilidade Imediata

SINOPSE

Numa manhã de um Inverno frio e pessimista em Paris, o cosmopolita Jacinto decide regressar à sua Tormes natal, pacata vila das serras portuguesas, acompanhado por Zé Fernandes, narrador-personagem desta história. «Novela fantasista», assim lhe chamou Eça de Queiroz, A Cidade e as Serras faz um retrato dos contrastes entre a excitação da vida citadina e a genuína beleza da vida no campo. Escrita na fase final da vida do autor, esta obra viria a ser publicada apenas em 1901, um ano após a morte de Eça de Queiroz.

Ver Mais

COMENTÁRIOS DOS LEITORES

Excelente retrato de um Portugal provinciano
Filipe Seabra | 2022-04-09
Depois desta leitura fiquei a gostar ainda mais de Portugal. Conta a história de dois amigos muito parecidos, que provêm de diferentes ambientes: citadinos e o campo. Leva o leitor a identificar-se com a vida na cidade e, sem se dar conta, a preferir tardiamente o campo. Uma escrita espantosa deste nosso grande escritor!
4/5
João M. | 2022-02-25
Talvez o mais filosófico de Eça que li até agora. Divide muito bem o tempo na cidade e na serra, e não cai na tentação de ser previsível ao contar tudo o que acontecer ao Jacinto e ao Zé Fernandes. Critica subliminar à sociedade cosmopolita e à própria sociedade do interior, normalizante da pobreza.

DETALHES DO PRODUTO

A Cidade e as Serras (eBook)
ISBN: 978-972-38-2956-3
Edição/reimpressão: 04-2016
Editor: Livros do Brasil
Código: 68722
Idioma: Português
Páginas: 272
Tipo de Produto: eBook
Classificação Temática: eBooks > eBooks em Português > Literatura > Romance
Eça de Queiroz nasceu a 25 de novembro de 1845 na Póvoa de Varzim e é considerado um dos maiores romancistas de toda a literatura portuguesa, o primeiro e principal escritor realista português, renovador profundo e perspicaz da nossa prosa literária.
Entrou para o Curso de Direito em 1861, em Coimbra, onde conviveu com muitos dos futuros representantes da Geração de 70. Terminado o curso, fundou o jornal , em 1866, órgão no qual iniciou a sua experiência jornalística. Em 1871, proferiu a conferência «O Realismo como nova expressão da Arte», integrada nas Conferências do Casino Lisbonense e produto da evolução estética que o encaminha no sentido do Realismo-Naturalismo de Flaubert e Zola. No mesmo ano iniciou, com Ramalho Ortigão, a publicação de As Farpas, crónicas satíricas de inquérito à vida portuguesa.
Em 1872 iniciou a sua carreira diplomática, ao longo da qual ocupou o cargo de cônsul em Havana, Newcastle, Bristol e Paris. Foi, pois, com o distanciamento crítico que a experiência de vida no estrangeiro lhe permitiu que concebeu a maior parte da sua obra romanesca, consagrada à crítica da vida social portuguesa e de onde se destacam O Primo Bazilio, O Crime do Padre Amaro, A Relíquia e Os Maias, este último considerado a sua obra-prima. Morreu a 16 de agosto de 1900, em Paris.
Ver Mais

Conheça as nossas novidades

Seja o primeiro a conhecer os livros que acabaram de chegar, notícias sobre autores, conteúdo exclusivo e muito mais!

Conheça as nossas novidades

Seja o primeiro a conhecer os livros que acabaram de chegar, notícias sobre autores, conteúdo exclusivo e muito mais!