2019-12-30

«sustentabilidade» ou «violência [doméstica]»: Qual será a PALAVRA DO ANO® 2019 eleita pelos portugueses?

Amanhã é o último dia para votar na palavra que melhor resume o ano que agora finda. A vencedora será anunciada em Loures, a 6 de janeiro.

Partilhar:

A um dia de terminar a votação para PALAVRA DO ANO® 2019, «sustentabilidade» e «violência [doméstica]» competem quase lado a lado pelo título, estando a primeira com um ligeiro avanço. Os votantes consideram urgente criar uma sociedade mais sustentável, mas também não esquecem os numerosos casos de violência doméstica que se têm vindo a registar no país e que necessitam de ser travados. No pódio encontra-se também «desinformação», o que revela uma preocupação dos portugueses quanto às informações falsas (fake news) que cada vez mais invadem as redes sociais.

Entre uma lista de dez palavras candidatas, a grande vencedora vai ser revelada no dia 6 de janeiro de 2020, na Biblioteca Municipal José Saramago, em Loures. A cerimónia tem início marcado para as 10:00 e contará com a presença da equipa de animação das Bibliotecas Municipais de Loures, para além da participação especial de alguns alunos da Escola Secundária José Afonso, que vão comentar todas as palavras a concurso. Esta iniciativa vem sublinhar o poder das palavras ao refletir o quotidiano da nossa sociedade em cada ano: os factos, os hábitos, os acontecimentos, as preocupações coletivas. Na corrida à PALAVRA DO ANO® 2019 está também «jerricã», o quarto vocábulo mais votado até ao momento, seguido de «nepotismo», «trotinete», «seca», «influenciador», «lítio» e por fim «multipartidarismo», por ordem decrescente do número de votos. Todas as candidatas estão disponíveis para voto até ao último segundo de amanhã, 31 de dezembro, em www.palavradoano.pt. De ressalvar que em 2018 ganhou a palavra «enfermeiro», com 37,8% dos 226 mil votos validados, seguida de «professor». Recuando nas dez edições anteriores, as palavras escolhidas recordam-nos o que influenciou o país: «esmiuçar» (2009), «vuvuzela» (2010), «austeridade» (2011), «entroikado» (2012), «bombeiro» (2013), «corrupção» (2014), «refugiado» (2015), «geringonça» (2016) e «incêndios» (2017).

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK