2018-04-04

Burgueses somos nós todos ou ainda menos

O título é emprestado a um poema de Mário Cesariny, os contos são de Mário de Carvalho. Histórias de burgueses desencantados no regresso do autor à narrativa curta.

Partilhar:
Um novo livro de contos de Mário de Carvalho chega às livrarias a 9 de abril, numa edição da Porto Editora. Burgueses somos nós todos ou ainda menos, título inspirado no poema homónimo de Mário Cesariny, reúne onze contos deste que é um dos mais importantes e prolíficos contistas nacionais, e que aqui revela mais uma vez o seu olhar subtil e irónico sobre a sociedade que o rodeia. Traições e amantes, as crises (económicas, mas não só), o envelhecimento, a viuvez e a ambição são alguns dos temas por que passam as histórias destes burgueses mais ou menos desencantados.

SINOPSE


Um marido recalcitrante ludibriado pela mulher defunta; um casal num jantar de amigos, elas amigas íntimas dele; um recém-viúvo percorrendo a lista das suas conquistas mais assíduas, dois homens de meia-idade rememorando no luxo das suas casas os tempos de jovens revolucionários; doutores, engenheiros, administradores em tensão, todos em certa vivenda às Avenidas Novas, banco de grandes investimentos; uma enfermaria de hospital; cortejo e exéquias; engates de esquina; os filhos dos outros; traições e uma vingança sórdida; retalhos de vida, de uma sociedade, de um Portugal desencantado, sob o olhar sempre irónico de Mário de Carvalho.

O AUTOR


Mário de Carvalho nasceu em Lisboa em 1944. Licenciou-se em Direito e viu o serviço militar interrompido pela prisão. Depois da Revolução dos Cravos, em que se envolveu intensamente, exerceu advocacia em Lisboa. O seu primeiro livro, Contos da Sétima Esfera, causou surpresa pelo inesperado da abordagem ficcional e pela peculiar atmosfera, entre o maravilhoso e o fantástico.

Desde então, tem praticado diversos géneros literários – romance, novela, conto, ensaio e teatro –, percorrendo várias épocas e ambientes, sempre em edições sucessivas. Utiliza uma multiforme mudança de registos, que tanto pode moldar uma narrativa histórica como um romance de atualidade; um tema dolente e sombrio como uma sátira viva e certeira; uma escrita cadenciada e medida como a pulsão duma prosa endiabrada e surpreendente. Nas diversas modalidades de Romance, Conto e Teatro, foram atribuídos a Mário de Carvalho os prémios literários portugueses mais prestigiados (designadamente os Grandes Prémios de Romance, Conto e Teatro da APE, o prémio do PEN Clube e o prémio internacional Pégaso). Os seus livros encontram-se traduzidos em várias línguas.

Obras como Os Alferes, A Inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho, Um Deus Passeando pela Brisa da Tarde, O Varandim seguido de Ocaso em Carvangel, A Liberdade de Pátio ou Ronda das Mil Belas em Frol, todos já publicados na Porto Editora, são a comprovação dessa extrema versatilidade.

Página do autor: www.mariodecarvalho.com

«Mário de Carvalho é um excelente observador da realidade portuguesa e um contador estimulante das histórias que fazem o dia a dia de muitos de nós. Neste livro deixa-nos sete histórias diferentes que acabam por ser viagens certeiras e irónicas ao mundo e a todos os que por aqui vão tentando sobreviver.»
Jornal de Negócios

«Ninguém escreve contos como Mário de Carvalho»
Pedro Mexia, Expresso

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK