E no secundário, ainda é preciso ter cuidado com a internet? Conheça as regras essenciais

A internet faz parte do nosso quotidiano. Ela não é boa nem má, tudo depende do uso que lhe damos. Apresenta muitas vantagens, como contribuir para a educação através do acesso a um mundo infinito de conhecimento.

A internet apresenta muitas outras vantagens, como permitir a igualdade social no acesso à informação, possibilitar a interação com pessoas de outras culturas e de outros países, facilitar a inclusão de pessoas portadoras de deficiência, assim como proporcionar entretenimento (redes sociais, jogos, sítios de música, etc.). Limitar o acesso a este novo mundo, é limitar o acesso ao conhecimento.

Para os adolescentes que frequentam o ensino secundário (15 – 18 anos) e que, na sua maioria, têm já uma elevada literacia digital, faz todo o sentido usarem esta ferramenta mas, como na vida real, com alguns cuidados a serem discutidos e negociados com os pais.

A comunicação entre pais e filhos é imprescindível sobre tudo e também sobre o uso de computadores e outros dispositivos digitais. Claro que respeitando a privacidade dos jovens, algo de que nesta fase são muito ciosos.

O uso de ferramentas de filtro de internet é sempre aconselhável mas isso não invalida a supervisão parental. Esta supervisão será facilitada se o computador conectado à internet estiver num espaço de livre acesso a toda a família e não no quarto do adolescente.

Para evitar/prevenir conflitos faça, em família, uma lista de regras de utilização do computador e de outros aparelhos conectados à internet. Discutam os tipos de sítios inadequados (com conteúdos extremistas radicais, pornográficos e outros), o horário de utilização para a internet enquanto ferramenta educacional e enquanto fonte de entretenimento, que informações não podem ser partilhadas e também algumas orientações para a comunicação com os outros, incluindo as redes sociais. Promova uma comunicação aberta e franca para que se o adolescente tiver algum problema, se for assediado online, fale consigo em primeiro lugar e não procure outra pessoa, inclusive um amigo virtual para o fazer.

Saiba quais os sítios que o adolescente visita e com quem conversa. Mostre-lhe as vantagens de usar salas de conversa monitorizadas e abertas e insista para que não aceite ir para as mensagens privadas.

A marcação de encontros com amigos virtuais deverá ser muito escrutinada e, a ser efetuada, só com companhia e em lugares públicos. Preferencialmente evitar esses encontros.

Solicite ao adolescente para não fazer downloads de programas, música ou arquivos sem a sua permissão. Partilhar arquivos e obter texto, imagens ou ilustrações na internet pode violar leis de direitos autorais e pode ser ilegal. Os direitos de autor devem ser respeitados.

A curiosidade quanto à sexualidade pode levar o adolescente a consultar sítios de conteúdo pornográfico. Direcione-o para sítios educativos sobre afetos e sexualidade positiva.

Quanto às informações pessoais, não partilhar número de telemóvel, endereço, escola, locais que frequenta ou endereço de correio eletrónico. Não responda a correios eletrónicos não solicitados e use filtros.

O comportamento online deve ser responsável, educado e ético. A web não deve ser usada para fazer ciberbullying, difamar, ameaçar ou humilhar outras pessoas, ou para partilhar fotos menos próprias de outros.

Os pais deverão ser consultados sobre as transações online (compras ou vendas). O uso do cartão de crédito ou outras formas de pagamento requer alguns cuidados. O acesso a sítios que solicitam aos seus membros o pagamento de uma inscrição, assim como os de jogos de azar, devem ser objeto de análise pela família e o adolescente deve saber que é ilegal ele fazer apostas online.

Instrua o adolescente para que não partilhe fotos em poses menos próprias, sexualmente sugestivas, por exemplo, com ninguém. Tudo o que é colocado na net é para sempre.

Todas estas orientações serão tanto mais eficazes quanto maior a comunicação entre os membros da família. Negociá-las, mostrar a coerência das mesmas, é sempre preferível a impô-las.