Somos o que comemos – Dia Mundial da Alimentação
Joana Nogueira
O Dia Mundial da Alimentação começou a ser celebrado em 16 de outubro de 1981 e, hoje em dia, já abrange mais de 150 países que partilham a preocupação de consciencializar a opinião pública sobre a importância da adoção de hábitos alimentares saudáveis, como promoção da saúde.

Emílio Peres, o “pai” das Ciências da Nutrição em Portugal, preconizava a famosa frase “Somos o que comemos”, e, na realidade, a forma como nos alimentamos tem uma influência determinante, não só no nosso estado de saúde como em todas as atividades diárias, sejam intelectuais ou físicas.

E como “desde pequenino é que se torce o pepino”, é na infância que se torna determinante educar as nossas crianças a adotar hábitos alimentares saudáveis. Cabe aos intervenientes (pais e educadores de infância) serem um exemplo para os mais pequeninos. Para isso, a educação alimentar deve não só ser lecionada como posta em prática no dia a dia.

Um estudo muito recente e surpreendente do ISPUP (Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto) concluiu que crianças até aos 4 anos de idade consomem doces e refrigerantes todos os dias e 9 em cada 10 crianças consomem diariamente de modo abusivo sal. Este estudo a 8700 crianças concluiu que 73% consomem alimentos densamente calóricos, como hambúrgueres, pizas e batatas fritas. Estes dados assustadores e alarmantes refletem uma sociedade virada para o “rápido e fácil” e pouco preocupada com o dia de amanhã. O ambiente que rodeia as crianças nesta faixa etária necessita de ser mais consciente no que respeita à alimentação. Não só em casa mas também nas escolas e jardins de infância, a preocupação de comer bem e melhor deve ser incutida.

Aproveite o próximo dia de 16 de outubro e torne-o especial. Brinque com os pratos das crianças, torne-os mais apelativos e coloridos, promova jogos lúdicos e divertidos com os alimentos e faça deste dia um exemplo a reter para quando falarem de alimentação saudável.

Joana Nogueira - nutricionista, membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas, é licenciada em Ciências da Nutrição e Alimentação pela Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto. Iniciou a carreira no Rio de Janeiro, incidindo a sua experiência nas áreas de nutrição clínica e nutrição materno-infantil. Atualmente, exerce atividade em várias instituições, onde pratica nutrição clínica, principalmente nas áreas de desporto e pediatria.

 

 

Uma sala, imensas possibilidades
Porto Editora
nov 2019
Elogiar: como e o quê?
Adriana Campos
out 2019
A entrada dos adultos na creche/jardim de infância
Adriana Campos
set 2019
Manifesto a favor da desprogramação do tempo livre das crianças
Manuel Rangel (1956 – 2015)
jul 2019
A importância do contexto familiar na felicidade da criança e do seu bem-estar
Manuela Queirós
mar 2019
Back to Top