Santos Populares
Ana Isabel Casanova

Junho é o mês dos Santos Populares, com arraiais e diversão por todo o país nas noites de Santo António, de S. João e de S. Pedro. Festas de grande animação, em que o povo sai à rua para comer, beber e dançar com cheiro de manjericos, bonitos balões coloridos e alegres marchas populares.

Em Lisboa, de 12 para 13 de junho, celebra-se o Santo António com marchas organizadas pelos moradores de cada bairro, ao som de músicas alegres, trajes coloridos e arcos bem ornamentados de acordo com um tema alusivo, histórico ou referente ao respetivo bairro.

Esta tradição já vem de longe. Em 1932 foi instituído um prémio para a melhor marcha do ano. Nesse ano participaram seis bairros, mas apenas três concorreram ao prémio. No ano seguinte oncorreram 12 bairros, tornando-se as marchas na maior manifestação etnográfica dos festejos de Santo António, com desfiles e exibições na Avenida da Liberdade.

No Porto, de 23 para 24 de junho, celebra-se o S. João, feriado municipal desde 1911. As cascatas são-joaninas, que povoam a cidade (com origem provável no presépios), são erguidas nos passeios públicos ou soleiras das portas, geralmente por crianças que habitualmente angariam donativos para os enfeites e figurinhas de barro.

A mais conhecida e tradicional cascata é a das Fontainhas, erguida anualmente há já 70 anos na fonte lá existente. Outra cascata a merecer atenção é a da Avenida dos Aliados, junto à Camara Municipal do Porto, que é construída como uma espécie de labirinto para ser percorrida pelos visitantes.

A 29 de junho celebra-se o S. Pedro, um santo pescador, principalmente nas zonas piscatórias. Em todos estes festejos populares, como manda a tradição, come-se caldo-verde, sardinha e pimento assados e boroa e dança-se noite adentro, batendo na cabeça de quem passa com martelinhos de plástico ou com o alho-porro.

Quem de nós não tem na memória as vivências destas festas? Faz parte da cultura do nosso país, da nossa cultura!

É objetivo do jardim de infância resgatar e manter viva a cultura popular da sociedade em que está inserido, para que a criança conheça cada vez mais e se orgulhe da cultura do seu país.

Deixo-vos a minha sugestão para um miniprojeto a realizar ao longo do mês.


Ana Isabel Casanova - Educadora de infância e criadora da coleção do pré-escolar “Troca-Tintas”.

Uma sala, imensas possibilidades
Porto Editora
nov 2019
Elogiar: como e o quê?
Adriana Campos
out 2019
A entrada dos adultos na creche/jardim de infância
Adriana Campos
set 2019
Manifesto a favor da desprogramação do tempo livre das crianças
Manuel Rangel (1956 – 2015)
jul 2019
A importância do contexto familiar na felicidade da criança e do seu bem-estar
Manuela Queirós
mar 2019
Back to Top