Poesias Completas
Poesias Completas

Poesias Completas

avaliação dos leitores (4 comentários)
(4 comentários)
ISBN: 978-972-37-0294-1
Edição/reimpressão: 05-2003
Editor: Assírio & Alvim
Código: 79148
ver detalhes do produto
11,00€ I
-10%
COMPRAR
-10%
11,00€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO EM CARTÃO
I ESGOTADO OU NÃO DISPONÍVEL

COMENTÁRIOS DOS LEITORES

Um dos maiores Loucos de Orpheu
Diogo Gonçalves | 2018-10-02
Um testemunho inigualável dum ser humano que passou a maior parte da sua vida num asilo e que se destaca de todas as outras personalidades modernistas portuguesas.
Leitura obrigatória
Hugo Patrício | 2017-08-27
Para além da poesia de Ângelo de Lima, ficamos a conhecer alguns aspectos biográficos do poeta. Por estes motivos, é um livro de leitura obrigatória para quem gosta de poesia.

DETALHES DO PRODUTO

Poesias Completas
de Ângelo de Lima
ISBN: 978-972-37-0294-1
Edição/reimpressão: 05-2003
Editor: Assírio & Alvim
Código: 79148
Idioma: Português
Dimensões: 146 x 205 x 12 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 160
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros > Livros em Português > Literatura > Poesia

sobre Ângelo de Lima

Ângelo de Lima nasceu em 1872 no Porto e morreu em 1921, com 49 anos. Frequentou o Colégio Militar e a Academia de Belas-Artes do Porto. Um pouco antes da revolução republicana de 31 de janeiro, para a qual conspirara, é enviado numa expedição militar a Moçambique. Após o regresso de África começa a manifestar sinais preocupantes de loucura, o que levará ao seu internamento no Rilhafoles, onde é observado por Miguel Bombarda. Passará depois parte da sua vida em vários estabelecimentos psiquiátricos. Em 1915 são publicados poemas seus no nº 2 da revista modernista Orpheu. E Fernando Pessoa refere-se-lhe como a um poeta que "não sendo nosso, todavia se tornou nosso". "Talvez sem o saber, Ângelo de Lima tornara-se pela sua violenta originalidade cúmplice do Modernismo. Porque embora comece por escrever versos de um ultrarromantismo descabelado, já neles entretece a linguagem singular, obediente a leis só dela conhecidas, que mais tarde o coroará como o mais maldito dos poetas simbolistas.»
(Expresso, Fátima Maldonado, 15/02792)
Ver Mais

Conheça as nossas novidades

Seja o primeiro a conhecer os livros que acabaram de chegar, notícias sobre autores, conteúdo exclusivo e muito mais!

Conheça as nossas novidades

Seja o primeiro a conhecer os livros que acabaram de chegar, notícias sobre autores, conteúdo exclusivo e muito mais!