A rapariga que lia no metro

avaliação dos leitores (4 comentários)
(4 comentários)
Formatos disponíveis
15,50€ I
-10%
PORTES
GRÁTIS
COMPRAR
-10%
PORTES
GRÁTIS
15,50€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO EM CARTÃO
I Envio até 48 horas
I PORTES GRÁTIS

SINOPSE

De segunda a sexta-feira, sempre à mesma hora matutina, Juliette apanha o metro em Paris. Nesse caminho diário e rotineiro para um emprego cada vez mais rotineiro, a viagem na linha seis é a única oportunidade de que Juliette dispõe para sonhar.

Aos poucos, essa necessidade espelha-se na observação dos demais passageiros, pelo menos, daqueles que leem: a velha senhora que coleciona edições raras, o ornitólogo amador, a rapariga apaixonada que chora sempre na página 247. Com curiosidade e ternura, Juliette observa-os como se, pelas suas leituras, lhes adivinhasse as paixões, e a diversidade das suas existências pudesse dar cor à sua vida, tão monótona e previsível.

Até ao dia em que, seguindo um impulso invulgar, decide descer duas estações antes da paragem habitual - e esse gesto, aparentemente inocente e aleatório, acabará por se tornar o primeiro passo de uma experiência completamente alucinante e tão perturbadora quanto a de Alice no País das Maravilhas.
Ver Mais

COMENTÁRIOS DOS LEITORES

A rapariga que lia no Metro
Susana Esteves | 2019-06-04
Aparentemente uma critica à rotina e tristeza duma vida sem sentido, duma jovem, Juliette, sem objectivos, frágil e fraca, somos conduzidos a uma outra face da "vida oculta dos livros" e das suas asas para voarem levando com eles os leitores. Um facto deslumbrante foi quando vi a referência a Ron Hornbaker, pesquisei e verifiquei que não só era verdadeiro, como foi ele quem criou o conceito de BookCrossing, cujo objectivo é transformar o mundo numa biblioteca. " Se ama os livros, deixe-os partir". Um livro que vale a pena, uma história que cruza pessoas, culturas, afectos, saberes e sabores.
Esperava mais!
Ana Coutinho | 2018-11-06
Não foi um livro que me deixou particularmente fã da escritora. Como tinha lido algumas boas críticas esperava mais. Interessante no aspecto de nos levar a descobrir outras obras literárias.

DETALHES DO PRODUTO

A rapariga que lia no metro
ISBN: 978-972-0-03038-2
Edição/reimpressão: 03-2018
Editor: Porto Editora
Código: 03038
Idioma: Português
Dimensões: 152 x 235 x 14 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 168
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros > Livros em Português > Literatura > Romance
Christine Féret-Fleury nasceu em 1961, em França. Foi editora da Gallimard. Em 1996, publicou o seu primeiro livro para crianças, Le Petit Tamour, seguido de uma novela para adultos, Les vagues sont douces comme des tigres (1999), que recebeu o Prix Antigone. Desde 2001, dedica-se exclusivamente à escrita, tendo publicado dezenas de títulos.
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK