A Morte sem Mestre

A Morte sem Mestre

avaliação dos leitores (19 comentários)
(19 comentários)
Código:04668
Edição/reimpressão:06-2014
Editor:Porto Editora
ISBN:978-972-0-04668-0
ver detalhes do produto
22,00€
-10%
PORTES
GRÁTIS
COMPRAR
-10%
PORTES
GRÁTIS
22,00€
COMPRAR
I10% DE DESCONTO EM CARTÃO
IEsgotado ou não disponível
IPORTES GRÁTIS

SINOPSE

Dado tratar-se de uma edição reduzida, o fornecimento está limitado a duas unidades por cliente e condicionado à existência de stock na data de pagamento da encomenda.

«A Morte sem Mestre» é o mais recente livro de poesia de Herberto Helder. Escrito em 2013 e integralmente inédito, «Tudo quanto neste livro possa parecer acidental é de facto intencional» - «[...] peço por isso que um qualquer erro de ortografia ou sentido / seja um grão de sal aberto na boca do bom leitor impuro.», escreve-nos o autor.
Herberto Helder tem por hábito encadernar os seus livros com papel de embrulho castanho, escrevendo por fora com caneta de feltro vermelha o título e o nome do autor. A sobrecapa da presente edição evoca esse hábito, reproduzindo a sua caligrafia. É ainda incluído um CD, com cinco poemas lidos por Herberto.
Ver Mais

COMENTÁRIOS DOS LEITORES

Uma boa prenda
Hugo Alexandre |21.10.2014
Uma boa prenda para os apreciadores deste peculiar poeta. Recomendado.
De um leitor a um denominado poeta
Rúben Sousa |20.10.2014
É infeliz esta obra, nada representa, Senão os vis interesses da cobra. Que grande poeta... Deixa-se ser marioneta. Tudo é feito para os especuladores, Enquanto não a podem adquirir os leitores.

DETALHES DO PRODUTO

A Morte sem Mestre
Edição/reimpressão:06-2014
Editor:Porto Editora
Dimensões:147 x 207 x 16 mm
Encardenação:Capa dura
Páginas:64
Tipo de Produto:Livro
Classificação Temática: Livros em Português > Literatura > Poesia
Herberto Helder nasceu em 1930 no Funchal, onde concluiu o 5.º ano. Em 1948 matriculou-se em Direito mas cedo abandonou esse curso para se inscrever em Filologia Românica, que frequentou durante três anos. Teve inúmeros trabalhos e colaborou em vários periódicos como A Briosa, Re-nhau-nhau, Búzio, Folhas de Poesia, Graal, Cadernos do Meio-dia, Pirâmide, Távola Redonda, Jornal de Letras e Artes. Em 1969 trabalhou como diretor literário da editorial Estampa. Viajou pela Bélgica, Holanda, Dinamarca e em 1971 partiu para África onde fez uma série de reportagens para a revista Notícias. Em 1994 foi-lhe atribuído o Prémio Pessoa, que recusou. Faleceu em Cascais a 23 de março de 2015, tinha 84 anos.
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK