70072: A menina que não sabia odiar

70072: A menina que não sabia odiar

avaliação dos leitores (3 comentários)
(3 comentários)
Formatos disponíveis
15,50€ I
13,95€ I
-10%
EM
STOCK
COMPRAR
-10%
EM
STOCK
15,50€ I
13,95€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO IMEDIATO
I EM STOCK

SINOPSE

Lidia Maksymowicz tinha três anos quando, em dezembro de 1943, entrou com a mãe no campo de concentração de Auschwitz-Birkenau, onde foi marcada com o n.º 70072. Durante treze meses, sobreviveu àquele inferno como uma das pequenas cobaias de Josef Mengele, conhecido como «o Anjo da Morte».
Em janeiro de 1945, após a libertação, sai de Auschwitz na companhia de uma mulher polaca, que decidiu adotar um dos «órfãos» deixados num local repleto de cadáveres.
É na casa desta mulher que Lidia vive e cresce. No entanto, a pequena sobrevivente não esquece o seu nome nem a mãe biológica: não deixa de acreditar que a mãe está viva, nem de a procurar. E, de forma quase miraculosa, as duas irão reencontrar-se, dezassete anos depois.
Do campo de concentração, Lidia recorda-se do silêncio necessário para sobreviver, sem poder sequer permitir-se uma emoção. Hoje, volvidos quase oitenta anos da sua prisão, dedica-se a preservar a memória do Holocausto, testemunhando «o que foi o Mal e que o Bem pode sempre prevalecer».

Ver Mais

COMENTÁRIOS DOS LEITORES

Um retrato duro de um Passado que não se pode esquecer
Bibidibooks | 2023-02-08
- "Porquê continuar a falar disso? Por dever: o dever da memória." Comecemos pelo título, pode ser? "A Menina que Não Sabia Odiar" e o primeiro pensamento que nos ocorre é o da inocência que só as crianças têm, certo? E por isso elas são incapazes de odiar mas...será que essa inocência também se aplica a uma menina de 3 anos enviada para Birkenau? Não. Não podíamos estar mais errados! A menina não sabe odiar porque também não sabe amar! Luda, é enviada juntamente com a mãe, os avós e o irmão adotivo para Birkenau. Não são judeus, até são católicos mas foram apanhados nas florestas bielorrussas a tentar escapar ao regime Nazi mas, principalmente a uma vida sem liberdade. Luda, que mais tarde se torna Lidia, relata-nos de uma forma nua, crua a sua história. Os seus 13 meses no campo de Birkenau onde viu os seus avós a caminharem na direção da morte, onde foi usada para experiências médicas pelo doutor Josef Mengele, o anjo da morte como é conhecido. O relato é comovente, chocante e custa até acreditar que, em tempos, uma criança de 3 anos foi sujeita a tanto horror. A dada altura, Lidia diz-nos " a morte está ao nosso lado como se fosse nossa companheira de brincadeiras", e é talvez neste momento, que as palavras inicias de Liliana Sagre nos fazem mais sentido! Porque ao fim de 78 anos desde a libertação, a Europa caminha para um novo abismo, onde discursos racistas, xenófobos ganham força! E é exatamente por isso, que se deve continuar a falar sobre o Holocausto, sobre crianças como a Lidia. Temos o dever da memória! Recordar "o que foi o Mal" para que o Bem possa prevalecer. Não tenho, honestamente, palavras para vos explicar da forma que, o testemunho da Lidia, merece. Esforço-me para as encontrar, para vos transmitir o murro no estômago que levei. Porque, hoje, damos a nossa liberdade por garantida, agimos inconscientes de que, a qualquer momento o ciclo se pode repetir, se esquecermos a força que o ódio tem quando encontra ouvidos obedientes. "As nossas existências passam, mas os lugares onde vivemos permanecem" e Auschwitz ficou e ficará para que nunca se esqueça!
Uma leitura necessária
Elisa Santos | 2023-01-26
LI de apenas um fôlego. Não costumo ler muito sobre o tema do Holocausto, mas este relato foi do mais emocional e mais bem descrito que li. Apesar de Luda ou Lidia ter estado presa em Birkenau dos 3 aos 5 anos, ela conseguiu reconstituir a sua vivência nesse campo e em especial na cabana das cobaias de Mengele. Recomendo vivamente!

DETALHES DO PRODUTO

70072: A menina que não sabia odiar
de Lidia Skibicka Maksymowicz, Paolo Rodari
ISBN: 978-972-0-03510-3
Edição/reimpressão: 01-2023
Editor: Porto Editora
Código: 03510
Idioma: Português
Dimensões: 152 x 235 x 16 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 160
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros > Livros em Português > Literatura > Memórias e Testemunhos

sobre os autores

Lidia Maksymowicz, nascida na Bielorrússia em 1940 e hoje cidadã polaca, é sobrevivente do Holocausto. Aos três anos, foi um dos alvos das experiências genéticas do doutor Josef Mengele, no campo de concentração de Auschwitz.
Ver Mais
Paolo Rodari é jornalista, vaticanista do la Repubblica, escreveu vários ensaios, entre os quais um dedicado ao tema do silêncio com a eremita Antonella Lumini (La custode del silenzio).
Ver Mais

Conheça as nossas novidades

Seja o primeiro a conhecer os livros que acabaram de chegar, notícias sobre autores, conteúdo exclusivo e muito mais!

Conheça as nossas novidades

Seja o primeiro a conhecer os livros que acabaram de chegar, notícias sobre autores, conteúdo exclusivo e muito mais!