12 dicas para lidar com a mudança de escola do seu filho

A mudança da escola é algo que estará presente na vida da grande maioria das crianças e, se for vivida de forma tranquila, tem tudo para correr bem. O receio da mudança de escola tem sobretudo que ver com a questão da segurança afetiva e emocional da criança (e vamos lá falar a verdade, dos pais também!). O que devemos fazer para que tudo corra bem?

    1. Ter a certeza da mudança
    Se é mesmo para mudar, então é importante identificar rapidamente a nova escola e, nessa nova escola, percebermos o que nos faz querer ficar. É importante conhecer o adulto que vai trabalhar com o nosso filho, conhecer a turma, o espaço físico e também os diretores — são eles que impulsionam a escola! Os profissionais de educação são peças fundamentais — um diretor deixa crescer ou castra a sua equipa e, por consequência, os alunos.

    2. Conversar com o seu filho
    Há momentos em que negociamos com os nossos filhos e lhes pedimos opinião. Este pode não ser um desses momentos e, não sendo, fale com ele contando-lhe que vai mudar de escola — e que pode ser a meio do ano escolar.

    3. Acolha a possível tristeza do seu filho
    Percebendo que os amigos e a educador são pessoas importantes na vida deles. Diga-lhe que sabe bem que adora a Luisinha que é, desde o início, a melhor amiga do seu filho e que também sabe que ninguém vai fazer melhores rissóis de carne que a D. Margarida, a cozinheira. Dê-lhe tempo.
       
    Subscrever Newsletter
       

    4. Passe em frente à nova escola
    Mostre-lhe a nova escola por fora. E se vir que ela está disponível, entrem. E se vir que a disponibilidade continua, então passem na sala, façam uma visita à escola.

    5. Comunique à escola a saída do seu filho
    E peça que colaborem! Evitem dizer frases como “Oh, vais deixar-nos, vamos ter saudades tuas!”. Se for uma situação dolorosa para a criança, então vejam o positivo: “Que bom que foi ter-te tido aqui connosco!”

    6. Nos primeiros dias vá buscar o filho um pouco mais cedo
    É uma forma de o filho sentir confiança e de ajudar na transição.

    7. Os beijinhos à chegada à escola
    Os beijinhos e os “até logo” podem ser logo dados à entrada do portão da escola - torna tudo muito mais simples. E quando isso for tão natural, saberá que o seu filho se sente seguro!

    8. Os beijinhos à saída da escola
    Estes momentos de transição — chegada e saída da escola - devem ser feitos com alguma celeridade por forma a manter a segurança das outras crianças; é uma escola e não um parque. O ideal é não ficarmos nesse espaço à conversa com os outros pais, com se estivéssemos num parque.

    9. Falem sobre a escola
    Mas, antes disso, conte-lhe como foi o seu dia — e assim dar-lhe-á a segurança de que os dias continuam na sua enorme normalidade e que, porque a mãe não está insegura nem ansiosa, então poucos motivos haverá para ele estar.

    10. Acolha, novamente, os sentimentos
    Se vir que o seu filho fala e sente muitas saudades da outra escola, respire fundo e demonstre empatia. Como? Mostre-lhe fotos de quando ele andava na sala da professora Cláudia. Pergunte-lhe se ele gostava de falar com ela por telefone ou se gostaria de passar por lá, no final da semana. E se a resposta for afirmativa, vá. Sem receio. Já sentiu saudades? É, muito possivelmente, o que o seu filho está a sentir. Então vá, brinquem, revejam as pessoas e matem as saudades todas!

    11. Novos amigos
    Veja quais são os amigos com quem o seu filho mais se identifica e procure combinar um encontro entre eles e os pais num parque, para que eles possam conhecer-se um pouco melhor e brincar. É através das experiências positivas que a transição se fará com maior tranquilidade.

    12. Aceite a mudança como algo que faz parte da vida de todos
    O ser humano gosta pouco de surpresas, embora possa dizer o contrário — mas a mudança faz parte da nossa vida. É importante que nós, enquanto pais, a possamos viver da melhor forma possível uma vez que iremos inspirar os nossos filhos a aceitarem-na com maior facilidade, capacidade de resiliência. Poderão então superar-se, adaptando-se e criando novas formas para ultrapassarem aquilo que desconhecem.