Sugestões para as férias: para brincar e aprender

Aproxima-se o tempo de partir para férias e os pais preocupam-se a quem entregar os filhos enquanto aguardam pelo descanso. Mas há muitas iniciativas interessantes e acessíveis a diferentes grupos económicos. Veja aqui algumas para realizar em família.

Na praia

Mais adiante no verão, talvez os pais (ou outros adultos “cuidadores”) possam levar os filhos à praia – mesmo a praia perto de casa para onde se vai de autocarro ou comboio. O mar e o sol (filtrado pelos protetores solares e pelos chapéus ou bonés) são retemperadores e promotores de “quilos” de saúde (se não alimentarmos as crianças a doces, gelados e outros alimentos pouco saudáveis).

É uma boa altura para estimular a atividade física. Fazer castelos na areia húmida; mergulhar nas ondas sob vigilância dos pais ou outros adultos; fazer, bem cedo, longas caminhadas na areia enquanto apanham berbigão e recolhem conchas e pedrinhas para depois fazerem padrões decorativos e de grande subtileza matemática, isto tudo enquanto explicam aos mais velhos que critérios estão a usar para essa organização: alternância, cores e tonalidades, grandezas, etc.; regressar a casa para uma boa sesta antes de voltarem à praia pela tardinha, fugindo assim à hora do calor e aos raios solares mais perigosos para a saúde.

 

No campo ou na montanha

Se não for possível a praia, há o campo ou a montanha, as praias à beira-rio – vigiadas! – ou as albufeiras, espaços de lazer maravilhosos e de aprendizagens múltiplas muito estruturantes.

Se o mar é repousante, o verde e o ar puro mais repousantes são: há que fazer grandes caminhadas envolvendo crianças de diferentes idades e adultos de várias gerações; cuidar, aprender e explicar às crianças os hábitos e modos de vida dos animais da quinta; recolher objetos da natureza para levar para o jardim de infância no início do ano letivo; tirar fotografias ou gravar sons leves ou ruídos... Enfim, um mundo de possibilidades!

 

Nos jardins de casa

Se não for possível nenhuma destas hipóteses, as crianças podem fazer mini-campismo no jardim de sua casa ou de casa dos avós ou dos vizinhos, com outros meninos, podendo os pais negociar quem fica com quem, enquanto vão trabalhar alternadamente.

É uma boa hipótese de socializar e aproveitar a família, os irmãos mais velhos, os avós, os pais (claro!), os primos, os amigos ou vizinhos, num ambiente descontraído, divertido, cheio de humor e gargalhadas.

É também um bom momento para os afetos, para ouvir histórias e contá-las, para ler livros ou jogar à bola com os pais ou outros adultos.

 

Dentro de casa

As férias também devem ser aproveitadas para descansar, dormir bem e cuidar da saúde, mudando de atividade e de dietas alimentares (quando necessário) – podendo as crianças participar nas atividades domésticas, aprender a cozinhar coisas simples empoleiradas no banco da cozinha (cuidado com as quedas!), aprendendo a “química” dos alimentos, fazendo limpezas ao quarto e arrumando-o a pensar no início do ano letivo.

De forma muito mais natural e integrada, as crianças podem “aprender” enquanto brincam, descansam e interagem, gozando de um tempo bem merecido.

 

Na cidade

É uma boa altura para conhecer museus, parques naturais e outras atrações que vão deliciar pais e alunos nestas férias.

 

Vamos então para férias!