2021-05-07

Uma vida à sombra do Holocausto

O Diário de Renia, obra escondida durante mais de 70 anos, chega aos leitores portugueses.

Partilhar:

Escondidas dos olhares do público durante mais de 70 de anos, as mais de 700 páginas (no original manuscrito) escritas pela jovem polaca Renia Spiegel entre 31 de janeiro de 1939 e 25 de julho de 1942 foram resgatadas pela sua irmã, Elizabeth Ballak, e sobrinha, Alexandra Ballak. O Diário de Renia, testemunho de uma vida à sombra do Holocausto e dos horrores da Segunda Guerra Mundial está já nas livrarias portuguesas.

O diário desta jovem judia está repleto de expressões que serão familiares aos leitores: a angústia adolescente do primeiro amor, do primeiro beijo, das observações do quotidiano. Está também repleto de poemas que não deixarão de comover o leitor e revelar a alma sensível de Renia. Em retrospetiva – sendo este o benefício dos que puderam conhecer o final da história, como refere a prefaciadora da obra – muitas destas entradas poderão parecer insignificantes e aparentemente mundanas. No entanto, são o espelho emocional da vida de uma adolescente comum numa era que sabemos ter sido incomum. Uma vida demasiado curta que assistiu à ocupação soviética e nazi da Polónia, ao aparecimento do Gueto de Varsóvia, aos bombardeamentos e execuções sumárias, ao terror dos dias de guerra e morte.

Traduzido e publicado pela primeira vez em 2019, O Diário de Renia foi descrito pela Smithsonian Magazine como uma "nova e inestimável contribuição para a literatura do Holocausto" e também como um clássico desta literatura, a par dos Diários de Anne Frank e de Hêlène Berr.

Elizabeth Ballak (agora com 91 anos) e a sua filha Alexandra Ballak continuam a preservar a memória de Renia e da Shoah, através de entrevistas e da atividade da Fundação Renia Spiegel.

SOBRE O LIVRO

Renia é uma jovem judia que que vive na Polónia em 1939 e sonha vir a ser poeta. Quando a Rússia e a Alemanha invadem o seu país, o mundo de Renia desvanece-se. Separada da mãe, a sua vida assume novos contornos quando ela foge de Przemysl para escapar dos bombardeamentos noturnos, observa o desaparecimento de outras famílias judias e, finalmente, testemunha a criação do gueto.
Mas, apesar da guerra, Renia encontra beleza nas coisas mais simples e partilha-o na sua poesia, começa a traçar o seu caminho como escritora e apaixona-se pela primeira vez, dando o seu primeiro beijo a Zygmunt, poucas horas antes dos nazis chegarem à sua terra natal.
Será Zygmunt a escrever o último e comovente texto no diário de Renia.
Recentemente redescoberto, setenta anos depois, O Diário de Renia é descrito como sendo um clássico da literatura do Holocausto. Escrito com a clareza e habilidade que lembra Anne Frank, é um testemunho extraordinário dos horrores da guerra e da vida que subsiste mesmo nos tempos mais sombrios.

SOBRE A AUTORA

Nasceu na parte oriental da Polónia em 1924. Em janeiro de 1939 começou a escrever um diário. Quando começou a guerra, ela e a irmã estavam a viver com os avós em Przemysl. A guerra separou-a da mãe e durante os anos seguintes viveria sob a ocupação soviética e depois nazi e assistiria à criação do gueto. No verão de 1942, Renia foi forçada a esconder-se para tentar escapar à liquidação do gueto. Uns dias depois, o seu esconderijo foi encontrado e ela foi executada. Renia tinha apenas dezoito anos.