2021-05-06

Uma grande personagem revela um grande escritor

Porto Editora publica Quarteto de Havana — Volume I, de Leonardo Padura. Eis as primeiras aventuras do carismático detetive Mario Conde.

Partilhar:

Um Passado Perfeito e Ventos de Quaresma compõem o primeiro volume de Quarteto de Havana, no qual Leonardo Padura nos deu a conhecer a grande figura de Mario Conde, escritor frustrado e detetive talentoso (o que só aumenta a sua frustração), grande fã de jazz e de Hemingway; um homem que tem sempre com que se preocupar: os crimes que investiga e o passado que, ao mesmo tempo, o sustenta e o devora. No segundo semestre do ano, será editado o Volume II destas aventuras policiais.

O livro estará disponível nas livrarias a 6 de maio.

 


SOBRE O LIVRO

No primeiro fim de semana de 1989, durante uma dura ressaca alcoólica, Mario Conde é acordado pelo toque do telefone. Do outro lado, o seu chefe na Central atribui-lhe uma missão urgente: descobrir o que aconteceu a Rafael Morín, um homem com uma carreira brilhante, um futuro promissor e um passado aparentemente perfeito, que está em parte incerta desde o dia de Ano Novo. O que o chefe não sabe é que o desaparecido é um dos antigos colegas de escola de Conde, e que o seu envolvimento neste caso o fará reviver antigos amores com Tamara, a esposa de Rafael Morín.
Já em Ventos de Quaresma, Mario Conde é chamado para resolver o estranho homicídio de uma exemplar professora de Química do Pré-universitário que, anos antes, também ele frequentou. Ao mesmo tempo, conhece Karina, uma sedutora amante de jazz por quem se perde de amores. E assim, entre os quentes ventos do sul e uma paixão inesperada, Mario Conde vive dias marcados pela decadência moral, o tráfico de influências, a fraude e o consumo de drogas, mas também pela divertida e nostálgica lembrança dos tempos de juventude.

SOBRE O AUTOR

Nasceu em Havana em 1955. Licenciado em Filologia, trabalhou como guionista, jornalista e crítico, tornando-se sobretudo conhecido pela série de romances policiais protagonizados pelo detetive Mario Conde, traduzidos para inúmeras línguas e vencedores de prestigiosos prémios literários, como o Prémio Café Gijón 1995, o Prémio Hammett em 1997, 1998 e 2005, o Prémio do Livro Insular 2000, em França, ou o Brigada 21 para o melhor romance do ano, além de vários prémios da crítica em Cuba e do Prémio Nacional de Romance em 1993. Em 2012, recebeu, também em Cuba, o Prémio Nacional de Literatura pelo conjunto da sua obra. E, em 2015, foi galardoado com o Prémio Princesa das Astúrias das Letras.