2020-02-26

Serei sempre o teu abrigo, uma nova obra ilustrada de Valter Hugo Mãe

O poder dos laços da família e do afeto num delicado e essencial livro

Partilhar:

Amanhã, dia 27 de fevereiro , chega às livrarias de todo o país, Serei sempre o teu abrigo, um novo e delicado conto de Valter Hugo Mãe.


Escapará o amor do lugar dos sentimentos depois de uma operação de peito aberto? E poderão dois corações diferentes, zumbindo um como um eletrodoméstico e outro chiando silenciosamente como um ratinho que corre numa roda, ser um conjunto perfeito? Aos olhos de uma criança, este é um conto sobre a fragilidade dos avós e o poder dos laços que os unem. Um livro sobre o heroísmo de ser velho, de passar por muito e de persistir, de continuar a amar mesmo quando a vida faz com que os dias se tornem longos de perdas. Uma lição de ser, à força de tanto amar, um abrigo.

Numa cuidada edição, acompanhada pelas ilustrações do autor, esta é uma obra essencial e profundamente comovente, no poético e encantatório registo que carateriza os livros deste autor.

SOBRE O LIVRO
Serei sempre o teu abrigo
«O avô, resumido nos sentimentos, sem talento nas aflições, mais maniento e cheio de medo, só dizia: sossega, menina, sossega. Mesmo velhinhos, ele tratava-a como da primeira vez. Era uma menina.»

Um conto delicado sobre a fragilidade dos avós vista pelos olhos atentos do neto. Na sensibilidade que só as palavras de Valter Hugo Mãe conseguem atingir, acompanhamos a força do amor dos avós um pelo outro e dos dois pelo neto. O poder dos laços da família e do afeto.

SOBRE O AUTOR
Valter Hugo Mãe é um dos mais destacados autores portugueses da atualidade. A sua obra está traduzida em variadíssimas línguas, merecendo um prestigiado acolhimento em países como o Brasil, a Alemanha, a Espanha, a França ou a Croácia.
Publicou sete romances: Homens imprudentemente poéticos; A desumanização; O filho de mil homens; a máquina de fazer espanhóis (Grande Prémio Portugal Telecom Melhor Livro do Ano e Prémio Portugal Telecom Melhor Romance do Ano); o apocalipse dos trabalhadores; o remorso de baltazar serapião (Prémio Literário José Saramago) e o nosso reino .
Escreveu alguns livros para todas as idades, entre os quais: Contos de cães e maus lobos, O paraíso são os outros e As mais belas coisas do mundo. A sua poesia encontra-se reunida no volume publicação da mortalidade. Publica a crónica Autobiografia Imaginária no Jornal de Letras e coordena também a coleção de poesia elogio da sombra.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK