2019-11-20

Porto Editora e Fundação José Saramago entregam donativo para operação da Cruz Vermelha Portuguesa em Moçambique

Mais de 15 mil euros, resultantes da venda da edição especial de O Conto da Ilha Desconhecida, servirão para a apoiar a Operação Embondeiro, organizada para socorrer as vítimas do ciclone Idai.

Partilhar:

Numa breve cerimónia realizada esta tarde, na sede da Cruz Vermelha Portuguesa, Vasco Teixeira, Administrador e Diretor Editorial do Grupo Porto Editora, e Pilar del Río, Presidenta da Fundação José Saramago, entregaram a Francisco George, Presidente daquela instituição, o cheque no valor de 15.378,65 €, correspondente às vendas obtidas com a edição especial de O Conto da Ilha Desconhecida.


Esta iniciativa da Porto Editora e da Fundação José Saramago contou com o apoio das Livrarias Bertrand, da FNAC e de várias livrarias independentes, num esforço conjunto de assegurar o maior contributo possível para apoiar a ação da Cruz Vermelha Portuguesa em Moçambique.

Vasco Teixeira sublinhou que, desde o primeiro momento, a Porto Editora “procurou contribuir no que fosse possível na ajuda à população de Moçambique, nomeadamente através da Plural Editores, editora moçambicana que integra o nosso grupo. Esta iniciativa que fizemos com a Fundação José Saramago de angariação de fundos para apoiar a Operação Embondeiro veio reforçar essa vontade”, concluiu.

"Esta iniciativa não é caridade, mas cidadania. Somos cidadãos, habitamos o mesmo planeta e o dever de auxiliar os outros está no ADN de todas as pessoas e instituições que não colocam o egoísmo à frente do bem comum. E no bem comum cabemos todos", diz Pilar del Río, Presidenta da FJS.

Segundo Francisco George, “a onda de solidariedade para com as vítimas desta catástrofe foi gigantesca, tanto de milhares de Portugueses como de inúmeras empresas e entidades. Com o apoio de todos, foi possível montar uma Operação Humanitária sem precedentes na Cruz Vermelha Portuguesa, na qual tem participado um grande contingente de voluntários e na qual têm sido investidos montantes elevados em recursos materiais. O sucesso desta Operação é um orgulho para a instituição e para a sociedade Portuguesa, que muito contribuiu”.

De acordo com a Cruz Vermelha Portuguesa, o Ciclone Idai afetou 1 milhão e 850 mil pessoas, provocando mais de 700 mortos e milhares de feridos. No início da Operação Embondeiro foi montado um Hospital de Campanha que realizou mais de 4000 atendimentos. Foram também enviadas muitas toneladas de alimentos, medicamentos e material médico e de puericultura. Neste momento, a presença da Cruz Vermelha Portuguesa tem como objetivo a reconstrução do Centro de Saúde e Maternidade de Macurungo/Beira, cujas obras estão a avançar a bom ritmo, prevendo-se a sua conclusão no final deste ano.

Publicado, pela primeira vez, em 1997, pelo Pavilhão de Portugal – Expo 98 e pela Assírio & Alvim, O Conto da Ilha Desconhecida narra uma história de otimismo e perseverança na concretização dos sonhos, protagonizada por um homem que procura um barco para navegar até uma ilha que ninguém sabe existir. Este conto foi por diversas ocasiões alvo de edições especiais para apoiar a Cruz Vermelha em campanhas de reconstrução de países afetados por catástrofes naturais, como em El Salvador ou na Colômbia.

Em 2010, em resposta ao forte terramoto que destruiu o Haiti, a Fundação José Saramago colaborou também com a Cruz Vermelha, então com uma edição especial de A Jangada de Pedra, cujas receitas reverteram, na totalidade, para apoiar a reconstrução do país.


Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK