2021-09-07

Miguel Sousa Tavares revela Último Olhar

Livro marca o regresso do autor ao romance após oito anos de interregno.

Partilhar:

Depois da edição de Rio das Flores e Equador – dois dos maiores êxitos literários de Miguel Sousa Tavares, agora disponíveis com novas capas e uma identidade gráfica própria –, é tempo de conhecer o primeiro romance inédito do autor no catálogo da Porto Editora. Último Olhar é uma reflexão sobre o pavor coletivo em situações de crise e as consequências desse estado de emergência. Numa época em que ser-se velho significa somente caminhar para um fim inevitável, o autor lembra-nos que existem homens e mulheres que são testemunhas de um passado inapagável, provas de que a liberdade é o último dos nossos bastiões.

O livro já se encontra em pré-venda e estará disponível nas livrarias a 9 de setembro.
 

 


SOBRE O LIVRO

Pablo tem 93 anos, viveu a Guerra Civil Espanhola, viveu os campos de refugiados da guerra em França, viveu quatro anos no campo de extermínio nazi de Mauthausen. E depois viveu 75 anos tão feliz quanto possível, entre os campos de Landes, em França, e os da Andaluzia espanhola. Inez tem 37 anos, é médica e vive um casamento e uma carreira de sucesso com Martín, em Madrid, até ao dia em que conhece Paolo, um médico italiano que está mergulhado no olho do furacão do combate a uma doença provocada por um vírus novo e devastador, chegado da China: o SARS-CoV-2. Essa nova doença, transformada numa pandemia sem fim, vai mudar a vida de todos eles, aproximando-os ou afastando-os, e a cada um convocando para enfrentar dilemas éticos a que se julgavam imunes. Último Olhar é uma história sem tréguas nem contemplações, onde o passado cruza o presente e o presente interroga o futuro que queremos ter. Da primeira à última página, até decifrarmos o que se esconde atrás do título.

SOBRE O AUTOR

Miguel Sousa Tavares nasceu no Porto. Depois de se ter licenciado em Direito, exerceu advocacia durante 12 anos, atividade da qual abdicou para se dedicar em exclusivo ao jornalismo, uma paixão que lhe tem valido diversos prémios.
Estreou-se na televisão em 1978, na RTP, onde foi o rosto do programa de entrevistas Face a Face, a sua primeira experiência como apresentador. No anos 90 ingressa na SIC, canal onde conduziu programas como Crossfire, 20 Anos 20 Nomes e Terça à Noite. Já no final da década transfere-se para a TVI e assina formatos como Em Legítima Defesa e Jornal Nacional, aqui como comentador fixo semanal. É nessa função que, hoje, continuamos a poder ouvir a sua opinião sobre a atualidade nacional e internacional. Em 1989, foi um dos fundadores da revista Grande Reportagem, publicação da qual se tornou diretor no ano seguinte, um cargo que ocuparia durante 10 anos. Para além da experiência enquanto diretor da revista Sábado, também se destacou na imprensa portuguesa como cronista em publicações como o jornal Público, o jornal desportivo A Bola, a revista feminina Máxima, o jornal online Diário Digital e o semanário Expresso. Miguel Sousa Tavares tem vários livros publicados, de crónicas a contos, romances, livros de viagem e infantojuvenis. O primeiro, Sahara, a República da Areia, foi editado em 1985. Estreou-se no romance em 2003, com a obra Equador, editado em 30 países e adaptado a série televisiva. Destacam-se ainda os seus livros Rio das Flores, No Teu Deserto, Madrugada Suja ou Cebola Crua com Sal e Broa.