2021-05-10

A urgência do diálogo para o fim do conflito israelo-árabe, segundo Colum McCann

Apeirogon, um romance em que a realidade e a ficção se misturam e a beleza e a dor se sentem

Partilhar:

Baseado na história real de dois improváveis amigos, um israelita e outro palestiniano, cujas filhas se contam entre as vítimas mortais do conflito israelo-árabe, Apeirogon, nomeado para o The Booker Prize em 2020 e considerado pela crítica o trabalho mais ambicioso de Colum McCann, chega às livrarias de todo o país no dia 13 de maio, com o selo da Porto Editora.

Cruzando geografias, tempos, política e história numa teia complexa, o autor recusa dar eco às posições entrincheiradas e bipolarizadas que caracterizaram as discussões sobre o Médio Oriente. Oscilando entre a defesa dos dois lados da barricada ou de nenhum, apresenta um conflito com número infinito de lados observáveis – um Apeirogon – e semeia dúvidas, múltiplas verdades e perspetivas numa época em que abundam as certezas absolutas.

Dividido em 1001 capítulos, numa alusão às 1001 noites e à fuga da morte, a narrativa decorre num só dia em que os dois protagonistas, Rami e Bassam, viajam para uma reunião do Círculo de Pais, um grupo de homens que partilham o luto pelos seus filhos e procuram uma resolução pacífica para uma guerra sem fim à vista. Lá, estes homens, que na partilha da dor se tornaram melhores amigos, conduzem os que os rodeiam, e os leitores, numa viagem que entrelaça episódios aparentemente desconexos da história mundial com as suas vidas e as das suas filhas. E enquanto o fazem apontam a solução para o fim do conflito: a partilha da amizade, da dor e das visões de cada um.

SOBRE O LIVRO

Rammi Elhanan e Bassam Aramin moram perto um do outro – contudo, habitam mundos completamente diferentes. Rami é israelita. Bassam é palestiniano. A matrícula de Rami é amarela. A matrícula de Bassam é verde. Rami demora 15 minutos até à Margem Ocidental. Bassam demora uma hora e meia a fazer o mesmo percurso.
Aqui, a geografia é tudo.
Ambos perderam as suas filhas. Smadar, filha de Rami, de 13 anos, foi morta por um bombista suicida. Abir, filha de Bassam, de 10, foi atingida por um membro da polícia fronteiriça, junto à escola. Trazia um doce no bolso que ainda não tinha tido tempo de comer.
Rami e Bassam tornam-se melhores amigos.
Neste romance épico – que se apresenta com o mesmo nome da forma geométrica com um número contavelmente infinito de lados – Colum McCann atravessa séculos e continentes, entrelaçando tempo, arte, história, natureza e política numa tapeçaria de amizade, amor, perda e pertença. Musical, forte, delicado e ambicioso, este é um livro para os nossos tempos, por um escritor no auge dos seus poderes.

SOBRE O AUTOR

É o autor de 7 romances e 3 antologias de contos. Nascido e criado em Dublin, Irlanda, foi agraciado com várias distinções, incluindo o National Book Award e o International Dublin Impac Prize. Distinguido como Chevalier des Arts et Lettres pelo governo francês e eleito para a Irish Arts Academy, recebeu variados prémios europeus; o 2010 Best Foreign Novel Award, na China; e uma nomeação para os Óscares. Em 2017, foi eleito para a American Academy of Arts. A sua obra está publicada em mais de 40 línguas. É cofundador da organização global e sem fins lucrativos de intercâmbio de histórias, a Narrative 4, e é professor no Hunter College MFA Creative Writing Program. Vive em Nova Iorque com a família.