Rosa Montero e José Eduardo Agualusa encantam em Castelo Branco

 

O primeiro dia de agosto é, tradicionalmente, marcado por uma grande afluência às estradas e a Viagem Literária não fugiu à exceção. Na quinta etapa, rumamos até Castelo Branco, levando à boleia os escritores José Eduardo Agualusa e Rosa Montero.

O Cine-Teatro Avenida foi o palco escolhido para esta conversa, a primeira neste evento itinerante a incluir uma escritora. Com João Paulo Sacadura ao volante, os convidados foram conduzidos pelas palavras de José Eduardo Agualusa e Rosa Montero.


Para além da obsessão discreta por camaleões e anões, elementos bem presentes nas obras de ambos os escritores, João Paulo Sacadura foi explorando os muitos pontos de contacto entre as vidas de Agualusa e Rosa Montero, começando desde logo pela descoberta precoce da escrita e da literatura. O processo de criação literária, «as histórias que pedem para ser escritas» e que «o leitor em nós pede para ler» como foi descrito pelos dois convidados, e as suas obras mais recentes estiveram também em destaque.


Para José Eduardo Agualusa, Rainha Ginga foi a razão para se ter tornado escritor, tendo chegado a afirmar que toda a sua vida pretendeu escrever este livro. Só agora o escreveu, depois de mais de vinte obras publicadas, por considerar que estava «pronto».

Parcialmente escrito em Cascais, numa casa que lhe «salvou a vida», A ridícula ideia de não voltar a ver-te nasceu num momento em que trabalhava num romance, num quarto capítulo que bloqueava. O bloqueio criativo foi interrompido pela sua editora espanhola que lhe enviou o pequeno diário escrito por Marie Curie. Desta leitura e dos paralelismos entre a morte de Pierre Curie e a do seu marido, Pablo, surge A ridícula ideia de não voltar a ver-te.


O final da Viagem ficou marcado por uma grande participação por parte do público, com questões dirigidas tanto a José Eduardo Agualusa como a Rosa Montero, no já habitual período de perguntas e respostas com os autores, e por uma grande solicitação de autógrafos no foyer do Cine-Teatro Avenida.


A Viagem segue para sul, após a paragem em Castelo Branco. No dia 20 de setembro, o Centro de Artes e Espetáculos de Portalegre é o ponto de partida para a sexta etapa, com Teolinda Gersão e Valter Hugo Mãe.

3 de agosto de 2015