Final do Dá Voz à Letra foi um sucesso

Edição n.º 20, março de 2016

A final do Dá Voz à Letra, concurso de leitura em voz alta promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian, com o apoio da Porto Editora e da Câmara Municipal do Porto, teve lugar no dia 13 de fevereiro e proporcionou um verdadeiro espetáculo aos cerca de 300 espectadores presentes na Biblioteca Municipal Almeida Garrett, no Porto.

Dez finalistas leram vários textos de autores portugueses consagrados, com o objetivo de encontrar o melhor jovem leitor em voz alta da Área Metropolitana do Porto. Mara Martins, da Escola Oliveira Júnior, de São João da Madeira, foi a grande vencedora e recebeu uma viagem a Londres, para duas pessoas. Mafalda Marques, da Academia de Música de Vilar do Paraíso, ficou em segundo lugar e Gonçalo Castro, da Escola Secundária dos Carvalhos, em Gaia, em terceiro; receberam um iPad com seis livros digitais.

O espetáculo foi dirigido pelo ator e encenador Carlos Pimenta, com a participação de Ricardo Pinto (música ao vivo) e António Jorge Gonçalves (desenho digital em tempo real). Teresa Lima foi a responsável pela formação vocal dos finalistas. O júri era composto por Catarina Furtado, Pedro Lamares e Valter Hugo Mãe.

O Dá Voz à Letra, uma ideia original de Helena Vasconcelos, encontrou, entre os estudantes dos 13 aos 17 anos, das escolas da Área Metropolitana do Porto, o melhor leitor ou leitora em voz alta. As candidaturas foram feitas de forma individual, mediante o envio de uma gravação vídeo (com limite máximo de 3 minutos) da leitura do texto escolhido, através da página da iniciativa, em davozaletra.gulbenkian.pt

Esta foi a segunda edição do Dá Voz à Letra. A primeira teve lugar em 2014, com estudantes provenientes de escolas públicas e privadas da região de Lisboa.

 
Back to Top