Odontopediatria
Luís Pedro Ferreira

 

A Odontopediatria é a área da Medicina Dentária dedicada à saúde oral das crianças e adolescentes, com o objetivo de que os pacientes atinjam a idade adulta com uma boca sã, estética e funcional, e a possam conservar assim durante toda a vida.

O paciente infantil pode sofrer cáries, traumatismos, alterações da erupção dentária e outros problemas que afetam negativamente a saúde oral presente e futura. A criança está em constante evolução e crescimento, e isto converte-a num paciente odontológico diferente do adulto, com necessidades de tratamento pessoal e dentário específicas em cada momento.

O objetivo de um tratamento precoce deve ser o restabelecimento das condições normais para um ótimo crescimento, desenvolvimento e funcionamento. O êxito do tratamento odontopediátrico não é apenas a realização do mesmo, mas também lograr uma atitude positiva da criança e responsáveis para com a prevenção e manutenção da saúde oral. Este é o principal objetivo da Odontopediatria.

QUANDO SE DEVEM INICIAR OS CUIDADOS DE SAÚDE ORAL INFANTIL?
Devem iniciar-se com conselhos pré-natais aos futuros pais sobre a importância de manter uma boa saúde oral. Os cuidados de saúde oral infantil devem ser vistos como a base para uma educação preventiva que proporcione as condições normais para um ótimo crescimento, desenvolvimento e funcionamento.

Mesmo antes da erupção dos dentes deve limpar-se as gengivas do bebé com uma gase humedecida em água, bem como estabelecer hábitos corretos de alimentação.

Assim que aparece o primeiro dente, deve ser iniciado um programa diário efetivo de higiene oral para prevenção de cárie e doença paradontal sob orientação do médico-dentista e/ou higienista oral.


QUANDO ERUPCIONAM OS PRIMEIROS DENTES?
Os primeiros “dentes de leite” erupcionam entre os 6-8 meses de idade e até aos 2,5-3 anos de idade 20 dentes temporários devem aparecer na boca da criança, embora se possa considerar completamente normal ligeiras variações individuais.

A erupção dos dentes pode causar algum incómodo e sintomas, como o aumento de salivação, ansiedade, perda de apetite ou dificuldade em dormir. O seu dentista pode dar-lhe algumas sugestões de como aliviar a situação.

QUANDO SURGEM OS DENTES DEFINITIVOS?
A mudança dos dentes dá-se, normalmente, em duas fases: entre os 6-8 anos e entre os 10-12 anos. Um facto importante é a aparição, aos 6 anos, do primeiro molar permanente, que erupciona atrás do segundo molar decíduo (de leite). Ao não implicar a queda de nenhum dente temporário, a sua presença pode passar despercebida e confundir os responsáveis, que pensam vir a ser substituido mais tarde.

QUAL A IDADE IDEAL PARA A PRIMEIRA CONSULTA AO DENTISTA?
A Academia Europeia e Americana de Odontopediatria recomenda fazer a primeira visita ao dentista até ao primeiro ano de idade. Idealmente, estas visitas servem para uma observação do estado de saúde oral da criança e para informar os pais sobre atitudes preventivas, detetar hábitos nocivos (utilização inadequada de biberão, chupeta) e estabelecer um programa adequado ao grau de risco de cada paciente.

QUAL A IMPORTÂNCIA DOS PRIMEIROS DENTES?
Os dentes temporários têm várias e importantes funções para o desenvolvimento normal das crianças, tais como: estética, mastigação, manter o espaço para os dentes permanentes, fonética, influência no crescimento dos maxilares, respiração e deglutição. Não devemos esquecer que os últimos dentes a serem substituídos (os molares) não caem antes dos 11-12 anos e devem realizar as suas funções corretamente até então.

DEVEM TRATAR-SE OS “DENTES DE LEITE”?
Os dentes temporários podem ser afetados por cárie, tal como os definitivos. As características próprias dos primeiros dentes fazem com que, uma vez que se inicia a cárie, esta avance rapidamente e afete o tecido nervoso do dente mais depressa do que nos definitivos.

Evitar a dor produzida pela cárie já é razão suficiente para conservar a saúde dos dentes, e, além disso, há que recordar que a cárie é um processo infecioso e pode afetar a formação dos dentes permanentes, bem como a saúde em geral.

COMO ATUAR PERANTE TRAUMATISMOS?
Após um traumatismo dentário, é conveniente ir ao dentista, pois um tratamento precoce minimiza o risco de complicações posteriores. No caso dos dentes temporários, estes podem afetar diretamente a formação dos definitivos (alterando a forma, cor, direção de erupção, etc...).

Nas fraturas dos dentes permanentes deve colocar-se o fragmento em soro fisiológico, leite ou água e consultar um dentista urgentemente; na maioria dos casos pode aderir-se o fragmento ao dente fraturado. Se um dente permanente for acidentalmente removido procure rapidamente um dentista (cada minuto é vital), conservando o dente em soro, leite ou saliva, ou insira o dente cuidadosamente na sua posição inicial.

QUAL A IMPORTÂNCIA DAS RADIOGRAFIAS?
Os modernos métodos e equipamentos atuais asseguram a máxima segurança e qualidade para o diagnóstico e tratamento dos dentes. As radiografias ajudam o dentista a avaliar o desenvolvimento dos dentes e maxilares e a detetar possíveis problemas, tais como cáries iniciais ou ocultas, doenças paradontais, abcessos, alterações da forma dos dentes e/ou do seu desenvolvimento, dentes supranumerários, problemas radiculares, quistos e tumores, bem como a controlar tratamentos efetuados em consultas de revisão.

RESPONSÁVEIS DENTRO OU NA SALA DE RECEÇÃO?
A partir dos 3 anos, após a primeira consulta, recomenda-se que os responsáveis permaneçam na sala de receção. Não sinta que com esta regra está a abandonar a criança.

Por um lado, evita-se que transmitam medo ou ansiedade aos seus filhos, por outro, a comunicação entre profissional e paciente melhora, já que as crianças se mostram muito mais predispostas a ouvir e a colaborar quando não têm de dividir a atenção entre responsáveis e dentista.

A grande maioria dos pequenos pacientes adquire uma conduta favorável que permite a realização segura e eficiente dos tratamentos. Quando existem dificuldades, utilizam-se métodos complementares como a sedação ou anestesia geral, para poder tratá-los corretamente.

A PREVENÇÃO É EFICAZ QUASE A 100% QUANDO INICIADA PRECOCEMENTE:

  • Limpe os dentes e a boca da criança pelo menos duas vezes por dia (depois do pequeno-almoço e antes de dormir), utilizando as técnicas específicas à idade do seu filho indicadas pelo dentista e/ou higienista oral.

  • Não permita a utilização passiva do biberão enquanto a criança dorme – risco de cáries da primeira infância. Segure o biberão durante as refeições, para que a criança aprenda que os pais o controlam.

  • Introduza alimentos semissólidos e sólidos na dieta a partir do primeiro ano e substitua o biberão pela colher e copo – a mastigação ajuda a um correcto desenvolvimento ósseo e muscular.

  • A utilização da chupeta deve ser desencorajada após o primeiro ano, para evitar deformações, e vigiar para que não se desenvolvam hábitos de sucção digital (é mais prejudicial chupar o dedo que a chupeta). Nunca utilize adoçantes ou mel na chupeta – risco de cáries da primeira infância — nem cordões à volta do pescoço — risco de estrangulamento.

  • Evite alimentos com elevado conteúdo de açúcar especialmente entre as refeições. A criança deve ser educada desde a infância a uma alimentação saudável.

  • Uma correta oclusão dos dentes temporários facilita:
    – a mudança fisiológica da posição da língua de uma posição mais baixa, deglutição infantil, para sua posição correta na deglutição madura, em contacto com o palato.

  • – uma correta função respiratória, que é fundamental para o desenvolvimento dos terços médio e inferior da cara.


  • Até aos 3 anos serão os pais quem deve realizar a higiene oral dos seus filhos. A partir desta idade, e à medida que a criança cresce, a responsabilidade irá passando para ela, mas sempre sob supervisão dos responsáveis. Só a partir dos 6-8 anos adquirem uma capacidade psicomotora capaz de realizarem uma correta higiene oral.

  • Consulte regularmente o seu dentista e/ou higienista oral. Mais vale prevenir do que remediar!

  • Queridos pais, prevenção significa saúde, inteligência e investimento. Pessoas inteligentes investem na prevenção e boa saúde. Seja uma delas!

     

    Luís Pedro Ferreira - Licenciado em Medicina Dentária, mestrado em Odontopediatria, doutorado em Odontologia. Autor do livro "Atlas de Odontopediatria". Odontopediatra no Centro Dentário Pediátrico do Porto.

    Uma sala, imensas possibilidades
    Porto Editora
    nov 2019
    Elogiar: como e o quê?
    Adriana Campos
    out 2019
    A entrada dos adultos na creche/jardim de infância
    Adriana Campos
    set 2019
    Manifesto a favor da desprogramação do tempo livre das crianças
    Manuel Rangel (1956 – 2015)
    jul 2019
    A importância do contexto familiar na felicidade da criança e do seu bem-estar
    Manuela Queirós
    mar 2019
    Back to Top