Expressão Motora e Desporto em idade pré-escolar
Ágata Cristina Marques Aranha | Rui Jorge de Abreu Veloso
Expressão Motora e Desporto em idade pré-escolar

A prática regular de desporto, ou de qualquer exercício físico, contribui para o desenvolvimento harmonioso do ser humano, em três domínios de intervenção:
a) físico-motor;
b) cognitivo;
c) socioemocional.

Em idades pré-escolares é vulgar enquadrar-se este género de atividade no domínio da Expressão Motora. Com efeito, o processo educativo, particularmente nesta faixa etária, deve proporcionar às crianças meios que facilitem a aquisição e o desenvolvimento de diferentes formas de expressividade, melhorando o seu poder de manifestação, expressão e comunicação.

Penetrando e compreendendo o mundo das crianças, o adulto deve saber interpretar a sua forma de se expressar e comunicar, a qual inclui gestos, expressões faciais, tom de voz, tipo de olhar, diferentes formas de sorrir e até o seu silêncio e imobilização.

Desenvolver a expressão motora nas crianças é um meio de estimular a aquisição e melhoria de habilidades e destrezas percetivas e de coordenação que lhe permitirão aperfeiçoar as suas capacidades cognitivas e de socialização. Estas aprendizagens podem contribuir para aumentar a autoestima e equilíbrio emocional, proporcionando uma sensação de bem-estar e satisfação pessoal.

Não se tratando, então, de uma prática desportiva organizada, pretende-se proporcionar às crianças a oportunidade de realizarem jogos que lhes permitam desenvolver a sua expressão motora, através da realização de gestos e exercícios psicomotores. Este tipo de expressão motora deve estar sustentado em dois pilares básicos:
1) Técnico – que estimula o conhecimento e a tomada de consciência das possibilidades corporais da criança. Desperta a superação e perseverança na obtenção de um objetivo;
2) Espontaneidade – que desenvolve a criatividade, a libertação, a sensibilidade e a tomada de decisão.

O jogo surge, então, como um meio privilegiado de proporcionar às crianças a prática de exercícios físicos, respeitando a sua natureza. Quando feito em interação com outras crianças, desperta a socialização, respeito pelos outros e espírito de equipa.

A seleção dos jogos obriga a um planeamento meticuloso e adequado à idade e ao desenvolvimento das crianças e a sua aplicação deve respeitar o ritmo e a motivação de cada criança, promovendo a sua desinibição, confiança em si mesma e o gosto pela prática de exercícios físicos, que um dia poderá fortalecer a prática regular de desporto. Quem sabe, um dia, vir a participar nos Jogos Olímpicos!

As sessões devem desenvolver-se em três fases distintas mas de continuidade:
1) Preparação para a participação nos jogos – aquecimento do corpo e da mente;
2) Participação ativa nos jogos – estímulo e exercitação;
3) Relaxamento e retorno à calma.


Ágata Cristina Marques Aranha - Nasceu em Angola, em 1964. É licenciada em Ensino da Educação Física, pela Universidade de Lisboa, Faculdade de Motricidade Humana, Mestre em Ciências Humanas e Sociais/Ciências do Desporto, pela UTAD, Doutorada em Ciências Humanas e Sociais/Ciências do Desporto, pela UTAD, e Agregada em Ciências do Desporto/Didática do Desporto, pela UTAD. É professora Associada com Agregação do Departamento de Ciências do Desporto, Exercício e Saúde, da Escola de Ciências da Vida e do Ambiente da Universidade de Trás os Montes e Alto Douro.

Rui Jorge de Abreu Veloso - Nasceu em Lisboa, em 1963. É licenciado em Educação Física e Desporto, pela Universidade do Porto, Instituto Superior de Educação Física (ISEF-UP), Mestre em Ciências do Desporto (Treino de Alto Rendimento), pela Universidade Técnica de Lisboa, Faculdade de Motricidade Humana, Doutorado em Ciências do Desporto pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douto (UTAD). É professor efetivo no Agrupamento de Escolas Dr. Costa Matos. É professor Assistente convidado na Faculdade de Desporto da Universidade do Porto e colaborador especialista de reconhecida experiência e competência profissional na área 813 (Desporto), na Universidade Lusófona do Porto.

 

Uma sala, imensas possibilidades
Porto Editora
nov 2019
Elogiar: como e o quê?
Adriana Campos
out 2019
A entrada dos adultos na creche/jardim de infância
Adriana Campos
set 2019
Manifesto a favor da desprogramação do tempo livre das crianças
Manuel Rangel (1956 – 2015)
jul 2019
A importância do contexto familiar na felicidade da criança e do seu bem-estar
Manuela Queirós
mar 2019
Back to Top